PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses
Artistas pintam frase 'Vidas Pretas Importam' na avenida Paulista, em SP

Artistas pintam inscrição "Vidas Pretas Importam" na Avenida Paulista, em São Paulo - Reprodução/Globonews
Artistas pintam inscrição 'Vidas Pretas Importam' na Avenida Paulista, em São Paulo Imagem: Reprodução/Globonews

Do UOL, em São Paulo

21/11/2020 08h43

Um grupo de artistas pintou durante a noite a frase 'Vidas Pretas Importam' em frente ao Masp, na avenida Paulista, em São Paulo. O ato foi motivado pelo caso de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos que morreu anteontem após ser agredido por dois seguranças no supermercado Carrefour, em Porto Alegre.

Segundo um dos artistas, identificado como Pagu, a pintura contou com apoio da secretaria municipal de Cultural, da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e da polícia.

"Nós iniciamos esse processo ontem à tarde, motivados pela morte do João Alberto, mas não só dele, como de todos os negros que morrem no Brasil", explicou ele, em entrevista à CNN.

"Essa mensagem, não só com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, da CET e da polícia, que nos permitiu fazer essa obra toda a noite, nos ajudou, circulando e fechando todo o trânsito, mas é uma obra independente, cooperada por vários artistas de São Paulo, que acreditam que o espaço público é um espaço de manifestação e é importante como sociedade nos organizarmos em ações como essa, uma vez que a sociedade é quem mais sofre com todas as disparidades que existem no Brasil", acrescentou ele.

Protestos pelo país

A morte de João Alberto provocou revolta entre os brasileiros e gerou protestos em algumas capitais do país. Cerca de 2.500 mil pessoas se reuniram em um protesto no fim da tarde de ontem na zona norte de Porto Alegre. Os manifestantes se concentraram em frente ao principal acesso ao Carrefour, na avenida Plínio Brasil Milano.

Em São Paulo, manifestantes invadiram a loja do Carrefour, localizada dentro de um shopping na região da avenida Paulista. Sob ordens de "não saquear", os manifestantes quebraram o portão de ferro e a fachada de vidro do supermercado, jogaram pedras e depredaram.

Na capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, houve protestos em duas redes do supermercado, um dentro de um shopping center e outro em uma unidade do centro. Entre os manifestante estava o cantor Djonga, que postou um stories do ato em seu Instagram.

Já no Rio de Janeiro, o protesto ocorreu em uma unidade na Barra da Tijuca, onde os manifestantes gritavam "assassinos" e "vidas negras importam". Curitiba também registrou atos no fim da tarde de ontem.

Cotidiano