PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Polícia investiga morte após médico ser acusado de derrubar recém-nascido

Santa Casa de Assis afirmou que está prestando assistência a mãe do recém-nascido, declarado morto pouco depois do parto  - Reprodução/Santa Casa de Assis
Santa Casa de Assis afirmou que está prestando assistência a mãe do recém-nascido, declarado morto pouco depois do parto Imagem: Reprodução/Santa Casa de Assis

Daniel César

Colaboração para o UOL, em Pereira Barreto (SP)

14/04/2021 21h28Atualizada em 14/04/2021 22h59

A família de uma jovem que deu à luz ontem na Santa Casa de Assis, no interior de São Paulo, procurou a polícia para registrar um boletim de ocorrência contra o médico plantonista que, segundo os parentes, teria deixado o recém-nascido, que morreu logo após o parto, cair em uma bacia, um dos equipamentos utilizados no procedimento.

Segundo o BO, que foi registrado pela mãe da paciente, Silvana Nogueira, Isabela, de 20 anos, teria dado entrada no hospital na manhã de ontem com fortes dores e sangramento.

Consta no depoimento que, mesmo com o sangramento contínuo no momento da internação, com a gestante desmaiando duas vezes, o médico teria dito para a família que o estado da moça era normal.

Na denúncia, a avó do bebê contou aos policiais que, por conta da perda de sangue, a própria jovem chegou a pedir para passar por uma cesariana, mas que médico teria negado a opção e confirmado que o parto seria normal.

Logo após o nascimento do bebê, segundo a versão da mãe da vítima, o médico teria colocado o recém-nascido no colo da mãe e, quando tentou pegá-lo novamente, o derrubou acidentalmente numa bacia de inox, que fica acoplada à cama.

A avó da criança disse à polícia que, logo depois disso, outra médica teria pegado o bebê e o levado a outro local, sem acesso para os familiares.

Roseli ainda denunciou que o médico teria continuado normalmente na sala de cirurgia realizando a sutura dos pontos da filha, sequer aplicando anestesia, já que a jovem seguia com fortes dores.

À polícia, ela disse ainda que a jovem foi levada a um leito e, minutos depois, a equipe médica informou que o bebê havia morrido por conta de um problema no cordão umbilical, sem dar mais detalhes do ocorrido.

A família questiona a versão do hospital e alega acreditar que a morte foi causada pela queda, já que o recém-nascido apresentava um hematoma na cabeça.

A Polícia Civil abriu inquérito e informou que irá investigar o caso e que o médico responsável será chamado a depor, além de outros profissionais presentes no parto.

A Santa Casa de Assis soltou nota sobre o assunto sem mencionar a suposta queda do bebê, afirmando que "a mãe e a família foram e estão sendo amplamente assistidas pela equipe da Maternidade e Direção da Instituição".

"A equipe obstétrica acompanhou presencialmente a paciente durante todo o período, seguindo todos os protocolos médicos e, após o parto, o bebê foi recepcionado pela pediatra, que constatou que ele apresentava cianose, hipoativo e ausência de choro. Foram feitos todos os protocolos de reanimação do recém-nascido, mas ele não reagiu e a pediatra constatou a morte. O hospital orientou a família a realizar um boletim de ocorrência e a análise no Instituto Médico Legal (IML) da cidade, e se solidarizou com os familiares", concluiu o comunicado.

Errata: o texto foi atualizado
Nome da mãe de paciente na Santa Casa de Assis é Silvana Nogueira, e não Roseli, como informado anteriormente

Cotidiano