PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Falsos sequestradores mantêm idosa ao telefone por 18 horas seguidas

Maurício Businari

Colaboração para o UOL

20/04/2021 15h48Atualizada em 20/04/2021 18h27

A Polícia Civil prendeu quatro pessoas em flagrante por suspeita de extorsão contra uma idosa de 66 anos, moradora de Santos, litoral de São Paulo.

Na tentativa de aplicar um golpe, os suspeitos mantiveram a mulher ao telefone por 18 horas ininterruptas, negociando o resgate do filho mais velho da vítima, que mora no exterior e supostamente teria sido sequestrado pelo grupo.

A idosa, que mora sozinha em uma residência no bairro da Vila Mathias, recebeu uma ligação na noite de domingo (18), por volta das 18 horas. Ao telefone, um dos suspeitos informava que o seu filho mais velho, que vive no Catar, havia sido sequestrado e estaria sob poder do grupo.

Para convencer a mulher a entregar dinheiro e objetos pessoais de valor, os golpistas faziam ameaças contra a vida do rapaz.

Desesperada, ela recolheu joias, bens e dinheiro e entregou aos supostos sequestradores durante a madrugada, se mantendo conectada a eles pelo telefone durante todo o tempo.

A ligação telefônica só se encerrou ao meio-dia de ontem, quando policiais da 1º Delegacia do Departamento de Investigações Criminais (Deic) de Santos, que vigiavam a porta da residência da vítima, conseguiram prender em flagrante três dos golpistas em um carro, após apanharem uma nova quantidade de dinheiro deixada pela idosa em um local combinado.

A ação da polícia foi possível graças a uma visita que a mulher recebeu de sua filha pela manhã, enquanto ela ainda mantinha contato pelo telefone com os falsos sequestradores. Por meio de um bilhete, a idosa informou que o filho mais velho havia sido sequestrado e pedia à moça que não fizesse nada, pois ele estaria sendo ameaçado de morte.

Desconfiada, a filha da idosa ligou para outro irmão, pedindo que se certificasse de que estava tudo bem com o irmão mais velho, no Catar. Ele conseguiu contato e constatou que tudo não passava de um golpe. Logo em seguida, avisou a polícia.

Em entrevista coletiva concedida à imprensa, o delegado informou que assim que o Deic foi informado do caso a equipe destacada se utilizou de uma metodologia específica de investigação, realizando campanas em veículos descaracterizados, conseguindo surpreender três dos falsos sequestradores, enquanto recebiam parte do dinheiro exigido como condição para a libertação do filho da idosa.

"Além dessas três pessoas, uma outra participante do golpe foi presa na cidade de Cubatão. Ela armazenava, em seu imóvel, parte dos objetos que foram roubados durante a ação".

Organização criminosa

Foi confirmado que os outros três falsos sequestradores também possuem residência em Cubatão. Baseada em investigações preliminares, a Polícia Civil acredita que um grupo de aproximadamente oito pessoas teria atuado no golpe.

"Trata-se de uma organização criminosa. Parte deles fazia as ameaças por telefone, outra recebia o dinheiro em espécie, outra parte armazenava os objetos em suas residências e outros cuidavam dos depósitos que ela chegou a realizar em suas contas-correntes".

Na contas, os golpistas distribuíram cerca de R$ 5 mil, cedidos pela idosa por meio de transferências bancárias. A polícia recolheu os comprovantes, que estavam com os falsos sequestradores. O delegado não informou, na coletiva, o valor total do prejuízo sofrido pela idosa. Mas garante que já recuperou cerca de 80% dos bens e do dinheiro entregues à quadrilha.

A Polícia Civil informa que, em casos de extorsão, é essencial que a vítima registre Boletim de Ocorrência, mesmo que seja de forma online, para que os responsáveis possam ser localizados e a ação, impedida de ocorrer.

Cotidiano