PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Pais que foram intubados com covid conhecem filha só 1 mês após nascimento

Casal Mariana e Fernando Almeida, que superaram covid-19 - Arquivo pessoal
Casal Mariana e Fernando Almeida, que superaram covid-19 Imagem: Arquivo pessoal

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/04/2021 09h58

Quase um mês depois de nascer, a bebê Manuela conheceu seu pai, Fernando Almeida Silva Junior. Uma semana depois foi a vez da mãe, Mariana Almeida Silva Junior. Os três contraíram covid-19 e precisaram ser intubados, em Sete Lagoas, a cerca de 75 km de Belo Horizonte (MG).

Manuela nasceu no dia 25 de março após sua mãe, intubada e sedada, passar por uma cesárea e dar à luz a bebê, com 1,7 kg e também contaminada com a doença, segundo a TV Globo. As duas foram infectadas pelo pai, que em 15 de março descobriu que estava com covid e três dias depois precisou ser intubado.

Mariana até tentou escapar. Foi para a casa dos pais, mas já era tarde. Dias depois a gestante foi internada e, com dificuldade para respirar, foi intubada por meio de traqueostomia. A recém-nascida foi a primeira a receber alta, 16 dias após o parto - enquanto os pais lutavam para superar o coronavírus.

Do lado de fora, a avó Andréa Almeida da Silva foi quem acolheu Manuela. "Ela é tão pequenininha e tão grandiosa. É essa aqui que vai trazer a vida de Fernando Junior e de Mariana para nós. Falava pra ela: 'chama papai, chama mãe pra perto de você'", disse a mãe de Junior, à emissora. Manuela teve que esperar até 22 de abril para conhecer Junior, que não conteve as lágrimas ao segurar sua filha no colo de forma inédita.

Mariana segura filha no colo pela primeira vez após internação - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Mariana segura filha no colo pela primeira vez após internação
Imagem: Arquivo pessoal

Já a mãe - ainda debilitada, mas já em casa - teve que esperar mais seis dias para conhecer a menina. A união da família Almeida mereceu uma carreata acompanhada de uma sinfonia de buzinas nas ruas da cidade mineira. Junior não escondeu a emoção: "Uma vida nova, ver as coisas de uma maneira diferente e eu tenho um propósito aqui, Deus não me daria essa oportunidade sem ter um propósito. Pode ter certeza que eu vou tentar devolver o que eu recebi", conta.

"Maior alegria da vida. Por que você saber que aquilo ali é fruto seu e que depende totalmente de você... é um negócio inexplicável", encerra o pai, ainda emocionado.

Coronavírus