PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Polícia pede informações sobre morte de fotógrafo em favela de Niterói (RJ)

O fotógrafo Thiago Freitas de Souza foi morto na comunidade onde morava, Santo Cristo, em Niterói (RJ) - Arquivo Pessoal
O fotógrafo Thiago Freitas de Souza foi morto na comunidade onde morava, Santo Cristo, em Niterói (RJ) Imagem: Arquivo Pessoal

Colaboração para o UOL

17/05/2021 15h03Atualizada em 17/05/2021 15h15

A Polícia Civil do Rio investiga a morte do fotógrafo Thiago Freitas de Souza, 32, que teria sido assassinado por traficantes da favela Santo Cristo, em Niterói (RJ), quando reclamou do barulho que estava sendo feito por eles, no sábado (15).

Para ajudar na investigação, o Disque Denúncia divulgou hoje um cartaz com a foto de Thiago e os dizeres "Quem matou?". Quem tiver qualquer informação pode entrar em contato através dos seguintes canais:

O Disque Denúncia avisa que o anonimato é garantido e que todas as informações que receber serão encaminhadas para a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, responsável pelo caso.

Cartaz sobre a morte do fotógrafo Thiago Freitas de Souza - Divulgação/Disque Denúncia - Divulgação/Disque Denúncia
Cartaz sobre a morte do fotógrafo Thiago Freitas de Souza
Imagem: Divulgação/Disque Denúncia

De acordo com a ocorrência feita pelo 12º BPM (Niterói), Thiago foi morto no fim da madrugada de sábado na comunidade onde morava.

A mulher do fotógrafo contou aos PMs que antes do marido ser morto, ela tinha ido pedir aos traficantes da região para que parassem o barulho que estavam fazendo, porque a filha do casal estava acordando a todo o momento.

Momentos depois, Thiago foi fazer o mesmo pedido, quando a esposa escutou um barulho de tiro e viu seu marido caído no quintal de casa baleado.

O fotógrafo chegou a ser socorrido no Hospital Estadual Azevedo Lima, ainda em Niterói, mas não resistiu aos ferimentos. PMs do batalhão de Niterói foram acionados para a unidade de saúde, onde ficaram sabendo do caso.

Procurada pelo UOL sobre as investigações, a Polícia Civil disse que "os agentes estão ouvindo testemunhas e realizam diligências para identificar a autoria do crime e esclarecer os fatos".

Cotidiano