PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

CPTM: ferroviários fazem greve por reajuste em SP; 4 linhas são afetadas

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/07/2021 21h22Atualizada em 15/07/2021 11h13

Os trabalhadores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) decidiram entrar em greve a partir da 0h de hoje, dia 15. As linhas afetadas pela greve são: 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa. A categoria reivindica aumento salarial. A greve tem duração indeterminada.

Veja as situação das linhas afetadas:

  • Linha 7- Rubi: trens circulam entre a estação Palmeiras-Barra Funda e a estação Caieiras
  • Linha 8- Diamante: trens circulam entre a estação Palmeiras-Barra Funda e a estação Barueri
  • Linha 9- Esmeralda: parada
  • Linha 10- Turquesa: trens circulam entre a estação Prefeito Celso Daniel-Santo André e a estação Tamanduateí

As linhas 11 - Coral, 12 - Safira e 13 - Jade funcionam normalmente, segundo informou a companhia, que acionou o plano de contingência.

A paralisação pegou muitos usuários do transporte de surpresa. O resultado foram filas e aglomeração nos pontos de ônibus próximos às estações das linhas afetadas.

Na Estação Grajaú, da Linha 9, um grupo de manifestantes bloqueia o acesso de ônibus e passageiros ao terminal, o que gerou uma aglomeração e reforço do policiamento. No início da manhã, houve um princípio de tumulto na estação Francisco Morato, da Linha 7.

Em entrevista ao jornal "Bom Dia São Paulo", da TV Globo, Pedro Moro, presidente da CPTM, disse que a companhia está com o plano de contingência em ação" e que "não acionou o sistema Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) por considerar que "o sistema não daria conta".

O presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, Eluiz Alves de Matos, disse ao jornal que a "responsabilidade [da greve] é da CPTM e do governo de São Paulo". Segundo ele, o reajuste acordado no ano passado não foi praticado pela companhia.

"Trabalhamos em toda a pandemia, perdemos vários companheiros para a covid-19, e estamos sem reajuste desde o ano passado. Aguardamos que o governo do Estado se sensibilize e minimamente atenda às nossas demandas. Estamos dispostos a negociar com a CPTM", diz Matos.

Não foi informado quantos funcionários aderiram à paralisação. Hoje, às 15h, o sindicato realizará uma nova assembleia para avaliar a situação.

Nas redes sociais, usuários compartilharam imagens de estações fechadas ou vazias e pessoas esperando do lado de fora:

Greve foi decidida em assembleia ontem

A paralisação, decidida em assembleia por sindicatos dos ferroviários no último dia 6, foi mantida após audiência de conciliação realizada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP) na tarde de ontem.

Segundo o TRT, durante a audiência entre a empresa de transportes e os sindicatos que representam os ferroviários, o juiz auxiliar da Vice-Presidência Judicial Edilson Soares de Lima chegou a sugerir reajuste de 6,22% para os trabalhadores e manutenção das cláusulas sociais preexistentes. Ambas sugestões foram rejeitadas pela companhia.

A autoridade propôs também uma cláusula de paz para evitar a greve, o que não foi aceito pelos trabalhadores.

Segundo documento anunciando a paralisação, assinado pelos sindicatos, ela é motivada pelo encerramento das negociações de reajuste salarial e do pagamento do PPR (Pagamento de Participação dos Resultados) por parte da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e do Governo do Estado.

"O movimento [da greve] surgiu da grande insatisfação dos Ferroviários diante da total falta de respeito da direção da CPTM (e do Governo) ao encerrar as negociações pelo segundo ano consecutivo, como também o não cumprimento do Acordo do PPR 2020, deixando de pagar as parcelas previstas para 31 de março e 30 de junho [de 2021], que acabou em calote", diz o comunicado.

Em nota, a CPTM disse que "considera inadmissível que o sindicato decida fazer greve com toda a linha de frente vacinada e com uma crise econômica".

Apesar da decisão de greve envolvendo as linhas da CPTM, o TRT determinou que os trabalhadores devem manter 80% do efetivo nos horários de pico e 60% nos demais horários, além de proibir obstáculos para acesso aos trens ou a liberação de catracas. Segundo o órgão, a multa, em ambos os casos, é de R$ 100 mil por dia de descumprimento.

O documento de anúncio da greve foi assinado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, Sindicato dos Ferroviários da Zona Sorocabana e Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo.

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do informado anteriormente, a linha 13 - Jade operará normalmente em todos os seus trechos, sem interrupção em Guarulhos

Cotidiano