PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
10 meses

Incêndio que gerou 'chuva de cinzas' em SP é controlado, mas ainda há focos

Do UOL, em São Paulo*

23/08/2021 06h39Atualizada em 23/08/2021 13h35

Após mais de 20 horas, o incêndio que atingiu ontem a área de mata do Parque Estadual do Juquery, em Franco da Rocha, na Grande São Paulo, foi controlado pouco depois das 5h da manhã desta segunda-feira pelo Corpo de Bombeiros. Equipes dos bombeiros ainda permanecem no local para eliminar alguns focos e ainda há muita fumaça no local.

Segundo o major Marcos Palombo, do Corpo de Bombeiros, metade da área do Juquery foi queimada, e um foco importante ainda está sendo combatido, no mirante do parque.

"Tivemos ontem cerca de 1510 incêndios registrados na região metropolitana de São Paulo. E hoje estamos com dificuldade para acesso na única frente que ainda não conseguimos combater, no mirante do Parque Juquey. Estamos com 70 bombeiros e duas aeronaves para combater este incêndio", afirmou ele, ao UOL News.

"Nós já temos uma estimativa de quase mil hectares, que são quase mil campos de futebol. Não temos registro de vítimas humanas, mas flora e fauna foram as principais vítimas desse incêndio. Temos preocupação e vamos continuar no objetivo até concluir o combate", acrescentou ele.

Perto do parque, outro incêndio em mata foi registrado na manhã de hoje, na avenida dos Coqueiros, também em Franco da Rocha. Seis carros dos bombeiros e pelo menos 20 militares estão atuando no local.

O fogo que atingiu o parque ontem foi causado pela queda de um balão e devastou mais da metade da área de mata do parque, segundo a prefeitura da cidade. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo teria começado por volta das 9h30 de domingo.

A Guarda Civil Metropolitana de Franco da Rocha informou que seis baloeiros foram presos na noite de ontem, mas ainda não há informação se eles estão ligados ao caso do parque. Segundo o jornal "Bom Dia São Paulo", da TV Globo, o grupo foi liberado após pagar fiança.

"Um recadinho: precisamos da ajuda das pessoas, porque foram causas humanas. Onde já se viu, um balão causar um incêndio desses. Ou uma bituca de cigarro que se joga do carro pela estrada. Não se pode fazer isso agora, estamos em uma época de estiagem", afirmou o major Palumbo.

Ontem, na região de Franco da Rocha e em toda a cidade de São Paulo e ABC, moradores relataram que o céu ficou alaranjado e a fuligem provocou uma "chuva de cinzas". O vento forte contribuiu para que as chamas se espalhem com facilidade.

Além do 90 militares Corpo de Bombeiros, mais de 100 profissionais da Defesa Civil e brigadistas voluntários ajudaram no combate às chamas. O helicóptero Águia da Polícia Militar também foi acionado para o atendimento.

Mario Mantovani, da ONG SOS Mata Atlântica, lamentou os incêndios. "É uma tragédia. Estamos vendo uma situação grave, porque São Paulo precisa dessas áreas verdes. Temos 8ºC de temperatura de diferença das áreas com verde, como nos Jardins, em comparação com outros lugares, como a Zona Leste. Temos de ter muito cuidado com elas", disse ele, ao UOL News.

Veja imagens do combate ao incêndio no Parque Juquery:

O parque

Gerenciado pela Fundação Florestal, o Parque do Juquery é a maior reserva de cerrado da região metropolitana de São Paulo. Criado em 1993, sua área total é de quase 2 mil hectares, espalhados entre os municípios de Franco da Rocha e Caieiras.

Segundo a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, o Estado contratou "diversos serviços" este ano para o Parque Juquery, "visando prevenir os incêndios florestais e minimizar sua propagação quando ocorrerem", como a abertura de 195 m³ de cacimbas para a contenção de águas pluviais e acertos em 30 mil m² de estrada. Quase 150 brigadistas voluntários também passaram por capacitação na Região Metropolitana.

A secretaria também afirmou que, em 2021, foram investidos mais de R$ 7 milhões em ações preventivas para combate aos incêndios florestais, que incluem a construção de aceiros, treinamento dos brigadistas, além da aquisição de maquinários e equipamentos de segurança.

*Com informações da Agência Estado

Cotidiano