PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Nuvem de poeira: Sabesp pede para população não usar água na limpeza

Nuvem vermelha de poeira cobre Ribeirão Preto

Band News

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

27/09/2021 10h26

Diante da crise hídrica que atinge o país, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) orientou a população de Franca a não usar água na limpeza da sujeira causada pela pela nuvem de poeira que cobriu a cidade e municípios da região de Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) na tarde de ontem (26).

O fenômeno, que é raro, chegou a afetar o fornecimento de energia e os serviços de internet na região, como nos municípios de Orlândia, Dumont e Jardinópolis. Enquanto alguns comerciantes precisaram fechar as portas, muita gente relatou dificuldades para respirar.

Em resposta ao problema, a Sabesp emitiu um comunicado aconselhando os moradores de Franca a não desperdiçarem água para limpar a sujeira. O motivo é a estiagem, que baixou o nível de água na maioria dos reservatórios paulistas.

"A Sabesp pede mais uma vez aos moradores de Franca que não desperdicem água na limpeza de casas, quintais, calçadas e outras finalidades do tipo", diz a nota. "Sabemos que o evento atípico (...) trouxe uma grande quantidade de poeira e fuligem para dentro das casas."

Mas o município passa por um período de severa estiagem, com rodízio no abastecimento de água. É preciso que todos que usem a água de forma consciente, sem desperdícios."
Sabesp, em nota

A empresa afirma que "vem realizando ações" para manter a distribuição de água por meio de "captações emergenciais, monitoramento dos usos dos irrigantes da bacia do Rio Canoas e uma campanha de comunicação visando conscientizar a população sobre a necessidade de economia de água".

A cidade é a única das 375 cidades atendidas pela Sabesp em que há rodízio no fornecimento. "A vazão dos mananciais de Franca não é suficiente para manter toda a cidade abastecida", diz a empresa, que manterá a medida até pelo menos a próxima quarta-feira (29) "a fim de minimizar, na medida do possível, os impactos à população".

Nesse período, os bairros foram divididos por blocos para que ocorra o revezamento. "Cada bloco de bairros ficará 1 dia sem água (24 horas) e 2 dias com água (48 horas). O retorno do abastecimento será a partir das 23h, com retomada gradativa do fornecimento de água", diz a Sabesp. É possível saber como é a divisão desses blocos ao clicar nesta página.

A nuvem de poeira

Pouco depois da poeira e da ventania, a região registrou pancadas de chuva. Segundo o Ciiagro (Centro Integrado de Informações Meteorológicas), choveu 24,4 milímetros até as 17h na região de Ribeirão Preto. Segundo a meteorologista Estael Sias, da MetSul, o fenômeno é comum em países da Ásia, onde é conhecido como "haboob".

Ele é causado por temporais de chuva com ventos fortes que, ao entrarem em contato com o solo seco, encontram resquícios de queimada, poeira e vegetação, os quais acabam criando um "rolo compressor" de sujeira que pode chegar a até 10 quilômetros de altura.

"Primeiro, vem a nuvem de temporal e tempestade, que gerou a corrente de vento mais horizontal e bagunçou todos esses detritos. Como faz meses que não chove naquela região, tem muita poeira, o solo e a vegetação estão secos, e as queimadas também contribuíram", explica Estael.

Relatos nas redes sociais mostram a nuvem a partir das 15h30. A paisagem impressionou usuários do Twitter, que compararam o cenário ao filme "Mad Max".

Veja:

Perdas de água da Sabesp

Reportagem de hoje do UOL informa que o desperdício de água pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e o furto de água, os famosos "gatos", continuam elevados sete anos depois da crise hídrica que secou as torneiras em diversas regiões do estado.

Levantamento da reportagem indica que a média anual de desperdício de água entre 2014 e 2019 foi de 823 bilhões de litros d'água, o suficiente para abastecer a capital paulista por um ano, que no mesmo período consumiu, em média, 685 bilhões de litros.

Cotidiano