PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Parto empelicado: Bebê gêmeo nasce dentro de bolsa amniótica, em Belém

Fenômeno é considerado raro e ocorre apenas em um a cada 80 mil nascimentos - Reprodução/ Santa Casa do Pará
Fenômeno é considerado raro e ocorre apenas em um a cada 80 mil nascimentos Imagem: Reprodução/ Santa Casa do Pará

Do UOL, em São Paulo

26/10/2021 22h02Atualizada em 26/10/2021 22h02

Os pais de gêmeos Carollina Sanches e Mariano Alves tiveram uma surpresa com o nascimento de Gabriel, gêmeo de Miguel, que veio ao mundo de forma diferente: ele nasceu empelicado, ou seja, ainda na bolsa com o líquido amniótico. O parto cesáreo dos gêmeos foi feito na Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém.

"Foi emocionante. Me senti duplamente abençoado; primeiro por presenciar o nascimento dos meus filhos, depois, em questão do parto empelicado. Quando o cirurgião me chamou para romper a bolsa foi um sentimento único. Já havia ouvido falar que é um acontecimento raro e, no momento que rompe a bolsa, me senti mais abençoado e também um pai de muita sorte", relata Alves, que é técnico de enfermagem.

A ocorrência desse tipo de parto é considerada rara, havendo na literatura médica uma média de um caso a cada 80 mil nascimentos, de acordo com comunicado da Santa Casa. Nesse tipo de parto, toda a placenta fica preservada com o bebê dentro, possibilitando a observação de seus movimentos e das atividades como se estivesse no útero — normalmente o rompimento da bolsa é o indicativo de que o parto está para ocorrer.

"Muitos obstetras não têm a oportunidade de presenciar o nascimento de um bebê empelicado durante a carreira. Em gêmeos, em particular, existem alguns casos relatados na literatura médica, mas são bem raros. Não tem como quantificar em palavras a emoção de participar deste momento único", declarou o médico obstetra José Fonseca, que presenciou fenômeno raro pela primeira vez em parto de gêmeos.

Ele faz questão de ressaltar que, embora esse tipo de parto não seja comum, não há nenhum risco para o bebê ou para a mãe. "Em alguns casos, pode até proteger o bebê de alguma infecção", explica.

Os gêmeos nasceram há duas semanas, na manhã de 11 de outubro. Miguel estava com 2,300 kg e 44 centímetros, enquanto Gabriel tinha 2,160 kg e 42 centímetros. Ao UOL, a assessoria da Santa Casa informou que mãe e bebês receberam alta, estão bem e em casa.

Há pouco mais de um mês, outro caso raro desse tipo de parto chamou a atenção nas redes sociais. Desta vez foram com as imagens do pequeno Davi Lucca Rosset Basso vindo ao mundo envolto pela bolsa amniótica, ou seja, empelicado. Um ensaio com fotos e vídeos chegou a ser feito por Vanuza Lolatto, fotógrafa especializada em partos.

Cotidiano