PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Apaixonado por capoeira e CBJR: Quem era bombeiro civil morto em rave de SP

Renan Mesquita, 24, foi encontrado morto em represa dentro de clube no interior de SP  - Reprodução/Facebook
Renan Mesquita, 24, foi encontrado morto em represa dentro de clube no interior de SP Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

18/01/2022 16h00

Renan Mesquita, 24, encontrado morto após uma festa rave no interior de São Paulo, era um apaixonado por capoeira e fã da banda santista Charlie Brown Jr. O corpo do rapaz foi encontrado na manhã de ontem boiando na represa do clube Náutico de Araraquara, em Américo Brasiliense, no interior de São Paulo, após uma festa rave realizada no último fim de semana.

Nas redes sociais, amigos do bombeiro civil lamentaram o incidente e relembraram momentos ao lado da vítima, conhecida pelo apelido de "Sonny". Um deles postou um vídeo de Renan tocando berimbau, instrumento de corda que é um elemento fundamental na capoeira, expressão cultural africana praticada por ele.

"Não dá pra acreditar. Semana passada a gente estava combinando de se encontrar pra eu pegar o Berimbau que você havia feito de presente pra mim e agora recebo essa notícia. Tu sempre será meu mestre, que me ensinou os primeiros passos na capoeira e me reconectou com minha cultura ancestral", escreveu José Lucas, um dos amigos de Renan, no Facebook.

"Eu sempre admirei sua sabedoria e serenidade, desde a primeira vez que te encontrei senti que seríamos grandes amigos. Não deu tempo de pegar o presente, guarda ele pra quando a gente se encontrar novamente, mestre", completou o jovem.

O mesmo amigo ainda postou uma segunda homenagem ao lado de Renan, relembrando uma roda de música em que os dois interpretaram a música "Zóio de Lula", do Charlie Brown Jr. Em seu Instagram, o bombeiro civil também escolheu um verso da banda para ilustrar a biografia de seu perfil: "Resgate suas forças e se sinta bem", do sucesso "Pontes Indestrutíveis".

Renan "Sonny", que morava em São Joaquim da Barra (SP), era discreto na internet, com perfis limitados em todas as redes sociais. Ele usava seu espaço no Facebook para fazer propaganda de um curso de SBV (Suporte Básico de Vida) e compartilhar alguns posts de música acústica.

Em suas curtidas, ele também demonstrava paixão por UFC (Ultimate Fighting Championship), maior e mais popular organização de artes marciais mistas do mundo.

Amigos notaram sumiço após rapaz não chegar em van

A festa visitada pelo rapaz neste final de semana contou com a participação de cerca de 10 mil pessoas, começando no sábado com duração de cerca de 48 horas.

Amigos do bombeiro civil perceberam o desaparecimento do jovem depois que ele não retornou à van da excursão após o evento.

"Havíamos combinado de nos encontrar na praça de alimentação para pegar a van e voltarmos para casa. No horário marcado, estávamos todos lá, mas o Renan não apareceu. A gente procurou ele por umas duas horas pelo clube, fomos ao ambulatório e não o encontramos", contou uma amiga do jovem, que pediu para não ter o nome divulgado, ao UOL.

Os demais jovens, então, retornaram com a excursão para São Joaquim da Barra e iniciaram uma campanha nas redes sociais na tentativa de encontrar Renan. "Pensamos que ele poderia ter entrado em uma van errada ou ter ido para a casa de algum amigo", acrescenta a amiga.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o corpo do rapaz foi encontrado na manhã de segunda-feira (17) por funcionários do clube, no momento em que eles chegaram para trabalhar. Ele estava próximo a uma cachoeira e não apresentava sinais aparentes de ferimentos de armas branca ou de fogo.

A corporação fez a retirada da vítima e acionou a Polícia Civil, que o identificou e instaurou inquérito para investigar o caso. A perícia vai analisar as causas da morte de Renan. O laudo deve ficar pronto em algumas semanas.

Em nota, o Conselho de Administração do Clube Náutico Araraquara lamentou a morte de Renan e disse que está dando suporte às investigações. O clube acrescentou ainda que "locou parte do espaço de sua sede campestre para a realização da Festa Mandallah, com os contratantes apresentando todos os documentos legais para a sua realização".

A organização da festa divulgou nota afirmando que está ajudando nas investigações e prestando apoio à família de Renan.

Cotidiano