PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Embaixada se desculpa com família de Dom por dizer que corpos foram achados

Parentes de Dom Phillips em vigília em frente à Embaixada do Brasil em Londres - Reprodução/TV Globo
Parentes de Dom Phillips em vigília em frente à Embaixada do Brasil em Londres Imagem: Reprodução/TV Globo

Herculano Barreto Filho

Do UOL, em São Paulo

14/06/2022 16h57Atualizada em 14/06/2022 19h30

A Embaixada do Brasil na Inglaterra se desculpou hoje com a família do jornalista inglês Dom Phillips por ter dito ontem que o corpo dele havia sido localizado. A informação foi desmentida pela Polícia Federal, que negou ter encontrado cadáveres no Vale do Jaguari (AM), e por entidades indígenas que participam das buscas.

Vistos pela última vez no trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte, o correspondente do jornal inglês The Guardian e o indigenista Bruno Araújo Pereira, servidor licenciado da Funai (Fundação Nacional do Índio), estão desaparecidos há nove dias na Amazônia. As buscas continuam na região.

A informação foi confirmada ao UOL pelo Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores). "[O embaixador do Brasil em Londres] pediu desculpas por terem sido repassadas informações que se mostraram incorretas", relatou o órgão em nota.

Um amigo de Dom no Brasil designado para se posicionar em nome da família também confirmou a mensagem.

"Nós lamentamos profundamente que a embaixada passou ontem para a família uma informação errada", escreveu o embaixador brasileiro em Londres, Fred Arruda, à família de Dom, segundo o jornal britânico The Guardian.

Ainda de acordo com a publicação, Arruda disse que o órgão consular "se enganou" após receber informações de pessoas ligadas às investigações. "Houve precipitação por parte da equipe. Todos os esforços seguem concentrados na operação de busca."

Onde o indigenista e o jornalista desapareceram - Arte/UOL - Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Hoje de manhã, a família de Dom na Inglaterra redigiu uma nota dizendo ter sido notificada por Roberto Doring, conselheiro da embaixada brasileira em Londres, "para transmitir uma atualização que recebeu de um contato oficial brasileiro" citando que corpos foram encontrados amarrados junto a uma árvore.

"Fomos informados por telefone que dois corpos haviam sido encontrados, mas que, devido ao fato de ainda ser de manhã no Brasil, nenhuma identificação havia ocorrido."

Em nota divulgada ontem, o comitê de crise coordenado pela Polícia Federal descartou a informação inicial de que os corpos de Bruno e Dom teriam sido encontrados.

"Não procedem as informações que estão sendo divulgadas a respeito de terem sido encontrados os corpos de Bruno Pereira e Dom Phillips. Conforme já divulgado, foram encontrados materiais biológicos que estão sendo periciados e os pertences pessoais dos desaparecidos", diz a PF.

Pertences encontrados e sangue periciado

Bombeiros mergulhadores encontraram durante as buscas uma mochila de Dom submersa amarrada junto a uma árvore, segundo a Polícia Federal. Também foram localizadas roupas, calçados e um documento de Bruno.

Segundo os profissionais envolvidos nas buscas, havia indicativo de tentativa de ocultar o material, já que os pertences estavam presos à vegetação. O material foi levado para perícia em Tabatinga (AM).

Peritos fazem a análise de sangue encontrado na embarcação de Amarildo da Costa de Oliveira, 41, para compará-lo com amostras de DNA das famílias de Bruno e Dom.

Preso em flagrante no dia 7 por porte de munição de uso restrito, Amarildo teve a prisão temporária decretada por suspeita no envolvimento no desaparecimento. Testemunhas disseram à polícia que o barco da dupla foi seguido por uma lancha pilotada por Amarildo.

As ações estão sendo concentradas em uma área onde foi encontrada outra embarcação, informou a Polícia Federal.

Cotidiano