Conteúdo publicado há 1 mês

PM é presa após atirar e matar jovem que empinava moto no interior do MA

A policial militar Sabrinna Silva foi presa nesta quarta-feira (28) após atirar e matar um jovem de 20 anos que realizava manobras perigosas em uma moto. Marcos Vinícius da Silva morreu no último domingo (25), em Governador Edison Lobão, no Maranhão.

O que aconteceu

Jovem foi morto durante uma perseguição policial. O tiro atingiu a região das costas. Marcos Vinícius pilotava a moto em uma via pública fazendo uma manobra conhecida como "grau", que consiste em empinar a motocicleta, deixando a roda dianteira no alto enquanto se equilibra na traseira.

A PM Sabrinna Silva foi presa em cumprimento a um mandado de prisão temporária contra ela. A representação pela prisão foi feita pelo delegado Alex Coelho, responsável pelo inquérito policial que apura o fato.

Em depoimento, ela afirmou que realizou disparos de advertência e não tinha intenção de atingir a vítima. Sabrinna Silva já havia sido afastada das funções desde o dia da morte de Marcos Vinícius. A policial deve ser transferida para o Quartel do Comando Geral da Polícia Militar em São Luís.

Sabrinna Silva é cabo e atua no 3º Batalhão de Polícia Militar de Imperatriz, cidade vizinha a Governador Edison Lobão. A PM também é influenciadora digital. No Instagram, ela tem mais de 87 mil seguidores.

O UOL não conseguiu contato com a defesa da PM. O espaço segue aberto para manifestação.

Entenda o caso

Marcos Vinícius da Silva morreu no último domingo (25), em Governador Edison Lobão, no Maranhão.
Marcos Vinícius da Silva morreu no último domingo (25), em Governador Edison Lobão, no Maranhão. Imagem: Reprodução/TV Globo

Marcos Vinícius da Silva não teria atendido a ordem de parada da PM.

Continua após a publicidade

A mãe da vítima, Francidalva da Silva, disse que o jovem foi morto na frente da sua casa. "Ela já vinha perseguindo ele e atirando nele. A moto já não estava funcionando, ele vinha só empurrando a moto com o pé e ela atirando pedindo para ele parar e ele continuou andando. Eu falei para ele, 'meu filho, pelo amor de Deus, larga essa moto, entrega essa moto'. Aí eu corri para ela e pedi, 'oh, mulher, pelo amor de Deus, não mata meu filho não'. Mas ela continuou atirando. Ele saiu empurrando a moto e ela atirando nele e matou meu filho, ele morreu na porta de casa", lamentou a mãe, em entrevista ao JMTV, da TV Globo.

O corpo de Marcos Vinícius da Silva foi enterrado no cemitério de Governador Edison Lobão. Ele trabalhava como auxiliar de serviços gerais em uma fábrica de rações.

O coronel Magalhães, comandante da Polícia Militar do Maranhão, informou a corporação abriu um procedimento interno para apurar o caso. Ele destacou que a guarnição envolvida no caso afirmou que um grupo de motociclistas estava em atitude suspeita, e a guarnição iniciou o acompanhamento tático.

O comandante explicou que Marcos fugiu da abordagem e foi perseguido. "Em determinado momento o grupo se espalhou e a guarnição perdeu o contato. No segundo momento, uma das motos que estavam nesse grupo encontrou novamente a guarnição e empreendeu fuga em atitude suspeita. Em uma determinada rua, a moto fez a volta e veio de encontro à viatura da Polícia Militar, momento em que a viatura manobrou e, nesse momento, o cidadão empreendeu fuga em um terreno e a policial militar desembarcou da viatura e, depois disso, culminou com os disparos e no caso veio o óbito desse cidadão", afirmou o coronel Magalhães à TV Globo.

A prefeitura de Governador Edison Lobão emitiu nota sobre o caso. A gestão municipal afirmou que lamenta o ocorrido e classificou a ação da policial militar como "exagerada". "De forma excessiva, exagerada e imprudente resultou na morte do jovem Marcus Vinícius", diz nota. "Reconhecemos o papel da Polícia Militar em nosso município, mas declaramos aqui nossa profunda tristeza pelo ocorrido. Por fim, nos solidarizamos com a família de Marcos Vinícius. E nos colocamos à disposição neste momento tão difícil".

Deixe seu comentário

Só para assinantes