Conteúdo publicado há 1 mês

Mãe rapta criança dos braços da avó meses após perder guarda em SP

Um menino de cinco anos foi levado pela mãe, que perdeu a guarda dele provisoriamente, da frente da casa da avó paterna em Santos (SP).

O que aconteceu

Vídeo mostra momento do rapto, na manhã da terça-feira (23). Nas imagens, é possível ver que a mãe sai de um carro vermelho e corre até a avó do menino. A criança cai e é arrastada por alguns metros, até entrarem no veículo, dirigido por outra pessoa, não identificada.

A mochila do menino, que está de uniforme escolar, é deixada para trás. Quando o veículo sai do local, a idosa é amparada por outra mulher.

Guarda da criança foi dada à avó em janeiro, diz defesa. O menino foi deixado com a avó há três anos após a mãe justificar que precisava trabalhar, informou Talita Alambert, advogada do pai do menino, ao UOL. O garoto passou o fim do ano com a mãe e, desde então, ela teria ameaçado levá-lo para Sergipe, o que motivou o pedido de formalização da guarda da criança.

Pai registrou boletim de ocorrência contra a mulher antes do rapto. Após a guarda ser concedida em janeiro, a mãe do menino voltou a prometer que levaria a criança embora. Segundo defesa do genitor, a informação foi registrada pelo pai junto à Polícia Civil em 8 de abril. A denúncia do pai foi anexada a um primeiro boletim de ocorrência, aberto pela mulher contra o homem, em 29 de março.

Investigações para encontrar a criança são feitas, informou a Polícia Civil de São Paulo. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública informou que o primeiro registro feito na polícia foi da mãe da criança, que afirmou que foi agredida pelo pai do menino. Em abril, o homem procurou a delegacia para relatar uma agressão, voltando novamente nessa terça-feira (23).

Caso é investigado como violência doméstica, lesão corporal, ameaça, injúria, vias de fato e subtração de incapaz. A investigação é feita pela DDM de Santos.

Defesa. O UOL não conseguiu contato com a defesa de mãe até o momento. Como o processo sobre a guarda do menino corre em segredo de Justiça, não é possível consultar o nome dos advogados dela. Uma advogada que a representou em outra ação, de 2018, foi procurada pelo UOL, que aguarda retorno sobre o assunto.

Deixe seu comentário

Só para assinantes