PUBLICIDADE
Topo

Vitória antecipada: 106 cidades do país vão ter um só candidato a prefeito

O médico cardiologista Waldemar de Carli (MDB), candidato único em Veranópolis (RS) - Valéria Loch/Divulgação
O médico cardiologista Waldemar de Carli (MDB), candidato único em Veranópolis (RS) Imagem: Valéria Loch/Divulgação

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, em Porto Alegre

30/09/2020 04h00Atualizada em 30/09/2020 15h14

Em 106 cidades do Brasil, apenas um candidato disputará o cargo de prefeito nas urnas em novembro, tornando previsível o resultado das eleições. Isso porque, de acordo com a legislação, nessas situações, basta um voto válido para o político conquistar o cargo e ocupar a cadeira por quatro anos.

Incomum, a situação ocorre em diferentes partes do país. Neste ano, o maior número de municípios com candidato único está no Rio Grande do Sul (33), seguido por Minas Gerais (17) e Paraná (14). Em cinco estados, só há uma cidade nesta situação.

O Norte é a região do país com o menor número de candidatos únicos —três municípios em dois estados. Na outra ponta da balança, aparece a região Sul, com 49 cidades com esse perfil.

A maior parte das candidaturas únicas ocorrem em cidades pequenas, com menos de 10 mil habitantes. Entretanto, chama a atenção Pimenta Bueno (RO), com mais de 36 mil habitantes.

Por lá, o delegado aposentado Arismar Araujo de Lima (Patriota), 50, deve novamente ocupar o cargo de prefeito. O político assumiu o Executivo municipal em janeiro de 2019, após a ex-prefeita Juliana Roque (PSB) e o vice, Luiz Henrique Sanches Lima (PSB), serem cassados. Nas eleições suplementares, o delegado aposentado obteve 13 mil votos, o que corresponde a 83,26% do total.

Ao UOL, Lima se disse surpreso com a falta de oponentes no pleito. "Aqui há partidos de esquerda muito ativos, como o PT e PDT, e achei estranho não terem lançado candidatura própria."

Apesar da vitória antecipada, o político garante que vai fazer campanha, inclusive com propaganda. "É a época em que a gente se aproxima do eleitor. Mesmo sendo candidato único, vou fazer campanha", conta Lima, que é natural de Tocantins e reside em Rondônia há 15 anos.

Considerada Terra da Longevidade, Veranópolis (RS) também só tem um candidato a prefeito. Com isso, o médico cardiologista Waldemar de Carli (MDB), 67 anos, deve seguir no cargo.

Em 2008, ao tentar a reeleição, o político também já havia se deparado com falta de adversários ao pleito. Por isso não estranhou a situação desta vez. "A oposição até tinha dois pré-candidatos, mas não apresentaram candidaturas. Não sei o que aconteceu", afirma.

Sem alternância, um mesmo grupo político já está no poder na cidade há 20 anos. "Eu preferiria que houvesse oposição. A eleição se torna mais atrativa para a comunidade. Assim meio que perdeu a graça", diz o candidato.

"Nós já estávamos preparados [para ter outros candidatos]. A gente estava esperando dois adversários e fizemos todo o planejamento. Claro que ser candidato único facilita, eleição já é definida", completa.

Pio - Divulgação - Divulgação
Haroldo Alves Pio (DEM), candidato único em Santópolis do Aguapeí (SP)
Imagem: Divulgação
Com pouco mais de 4.800 habitantes, Santópolis do Aguapeí (SP) está na mesma situação. O atual prefeito, Haroldo Alves Pio (DEM), 46, deve ficar mais quatro anos à frente do Executivo municipal.

Para o político, a falta de adversários é positiva por diminuir os custos de campanha e levar "tranquilidade" à cidade por conta da ausência de atritos entre candidatos. "Às vezes, o grupo que perdeu torce para quem venceu dar errado", diz.

"São várias as vantagens, mas eu não posso esconder que, com mais candidatos, é possível um debate de ideias. E o eleitor acaba fazendo a melhor escolha para ele", complementa Pio.

A ausência de adversários não é encarada como um problema para o cientista político e professor da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) Augusto de Oliveira. "Em municípios muito pequenos, a competição na política não é interessante. As pessoas se conhecem e têm vínculos mais próximos."

Para forasteiros, a situação pode ser vista com maus olhos. Entretanto, para quem vive nessas comunidades, o entendimento pode ser diferente, afirma o pesquisador.

"Não necessariamente, é sinal de problema democrático. Se tem vida política no município, liberdade de expressão, essa é uma situação que pode surgir normalmente na vida de um município pequeno. Chama a atenção, mas pode demonstrar não ser um problema, mas, sim, que a comunidade está resolvendo a disputa política sem recorrer ao processo eleitoral. Não é necessariamente um problema."

Errata: o texto foi atualizado
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) tem dois registros do mesmo candidato em Coronel Barros (RS), o que gerou um erro no título e no texto da reportagem. Ao todo, são, portanto, 106 cidades com só um candidato, 33 delas no Rio Grande do Sul e 49 na região Sul. A informação foi corrigida.