PUBLICIDADE
Topo

PT usa polarização para tentar acabar com o domínio de tucanos no ABC

Luiz Marinho (PT) tenta desbancar Orlando Morando (PSDB) em São Bernardo, ABC paulista - Paulo Lopes/Folhapress
Luiz Marinho (PT) tenta desbancar Orlando Morando (PSDB) em São Bernardo, ABC paulista Imagem: Paulo Lopes/Folhapress

Rayane Moura

Colaboração para o UOL, em Santo André (SP)

09/10/2020 04h00

Berço do PT, o ABC paulista há tempos se distanciou do partido. Em 2020, uma das principais apostas é a volta ao Executivo de São Bernardo. Conhecido polo industrial e com grandes montadoras, a cidade possui 620 mil eleitores e é considerada a maior do ABC.

Nestas eleições, a disputa repete uma polarização histórica entre PSDB e PT. O tucano Orlando Morando é o atual prefeito e tenta a reeleição.

Já o petista Luiz Marinho, seu antecessor, quer voltar a ocupar o Paço Municipal. Ambos já se enfrentaram em 2008, em disputa vencida por Marinho, que depois foi reeleito.

Morando tem a seu lado uma coligação de 18 partidos, entre eles, o Cidadania (antigo PPS), de Alex Manente, com quem disputou o segundo turno em 2016. Marcelo Lima (PSD) permanece como vice.

O apoio foi construído com a ajuda da mulher, Carla, deputada estadual e líder do PSDB na Assembleia Legislativa. O trunfo para se reeleger tem vindo com obras e a gestão durante a pandemia do novo coronavírus.

O ex-prefeito Luiz Marinho tem uma aliança bem menor, mas ainda significativa, com seis partidos (PTB, PL, PCdoB, Solidariedade e PDT). A petebista Ana Paula Lupino completa a chapa.

Ex-ministro do Trabalho e da Previdência durante o governo Lula, já dirigiu vários conselhos na região e tentou, sem sucesso, ser governador de São Paulo.

Foi se apoiando em propostas do partido que ele começou a campanha, defendendo uma rede de proteção social, construção de CEUs (Centros Educacionais Unificados) e um programa de construção de moradias.

Chapa feminina quer desbancar prefeito em Santo André

Em Santo André, outro tucano busca se reeleger. Paulo Serra se uniu a outros dez partidos e quer voltar a derrotar o PT, com fez em 2016, ao vencer Carlos Grana.

Para tentar bater a situação, o PT escalou a vereadora Bete Siraque (PT), que participou das gestões de Celso Daniel e João Avamileno.

Ela concorre com uma chapa totalmente feminina, com a estreante Morgana Ribeiro (PCdoB) como candidata a vice.

Bandeira do PT - Sergio Lima/Folhapress - Sergio Lima/Folhapress
Imagem: Sergio Lima/Folhapress

PT nunca comandou São Caetano

Em São Caetano, o tucano José Auricchio Júnior aposta na sua experiência como médico e presidente do PSDB municipal para ser reeleito.

Durante a pandemia, a cidade implantou várias ações de combate à covid, como programas de testagem, criação de um hospital de campanha e de UTI exclusiva para vítimas da doença.

Vai ter de enfrentar, contudo, a suspeita de captação e gastos ilegais de recursos em 2016.

Contra o histórico de nunca ter chegado ao comando do município, o escalado foi o ex-vereador João Moraes (PT), um dos fundadores do partido em São Caetano, em uma chapa pura com a Professora Vera Severiano (PT) de vice.

Entre suas propostas, está a tarifa zero no transporte coletivo para a população de baixa renda, estudantes e desempregados.