PUBLICIDADE
Topo

Covas pede compostura a Russomanno após fala sobre moradores de rua e covid

Bruno Covas (PSDB) durante a campanha  - ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Bruno Covas (PSDB) durante a campanha Imagem: ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

14/10/2020 16h38

O candidato à Prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), divulgou uma nota de repúdio sobre a declaração do rival Celso Russomanno (Republicanos) de que moradores de rua e usuários de drogas da cracolândia são mais resistentes à covid-19 porque não tomam banho. A nota de repúdio reflete afirmações de Covas feitas em um almoço com CEOs de grandes empresas nesta quarta-feira.

"Estamos falando de uma doença grave. Morreram mais de 150 mil pessoas. É preciso ética, é preciso compostura. Não podemos tratar essa doença como coisa de esquerda ou direita ou com finalidade eleitoral. Muito menos estabelecer que a população em situação de rua é diferente do ser humano e tratar sem nenhum conhecimento científico uma questão como essa", afirmou Covas.

Ontem, Russomanno participou de um encontro na Associação Comercial de São Paulo e criticou a maneira como o governo do estado administra a crise provocada pela covid-19 e as restrições impostas a setores econômicos. Durante seu pronunciamento, o candidato do Republicanos declarou que a população da cracolândia, formada por moradores de rua e usuários de drogas, pode ser mais resistente ao coronavírus "porque convivem o tempo todo nas ruas, não tem como tomar banho".

Apesar das palavras de Russomanno, não existe qualquer estudo que relacione a falta de banhos com a prevenção contra covid-19. A OMS (Organização Mundial da Saúde) costuma recomendar que as pessoas tomem banho para evitar a infecção pelo novo coronavírus.

De acordo com a última pesquisa do Datafolha, Russomanno lidera as intenções de voto com 27%. Buscando a reeleição, Bruno Covas aparece segundo lugar com 21%.

Eleições 2020 em SP: políticos fazem campanha na capital