PUBLICIDADE
Topo

Russomanno sugere que falta de banho ajuda moradores de rua contra covid-19

Celso Russomanno criticou a quarentena feita em São Paulo - FÁBIO VIEIRA/FOTORUA/ESTADÃO CONTEÚDO
Celso Russomanno criticou a quarentena feita em São Paulo Imagem: FÁBIO VIEIRA/FOTORUA/ESTADÃO CONTEÚDO

Colaboração para o UOL

13/10/2020 20h49

Celso Russomanno (Republicanos), candidato a prefeito de São Paulo, disse que moradores de rua podem ter mais resistência contra covid-19 porque não tomam banho com frequência. Ele falou isso depois de um evento com empresários da Associação Comercial de São Paulo.

Russomanno deu uma entrevista à Rede Globo e comentou que "todo mundo esperava que a covid-19 tomasse conta dos moradores de rua". Mas o candidato acredita que isso não aconteceu.

"Nós temos casos pontuais e não temos uma quantidade imensa de moradores de rua com problema de covid. Talvez eles sejam mais resistentes do que a gente, porque eles convivem o tempo todo nas ruas, não tem como tomar banho todos os dias", cogitou Russsomanno.

Não existe qualquer estudo que relacione a falta de banhos com a prevenção contra covid-19. A OMS (Organização Mundial da Saúde) costuma recomendar que as pessoas tomem banho para evitar a infecção pelo novo coronavírus.

Russomanno também criticou a forma como foi feita a quarentena na cidade de São Paulo. De acordo com a pesquisa Datafolha mais recente, o principal adversário dele na disputa é Bruno Covas (PSDB), atual prefeito, que foi quem comandou o isolamento na capital.

"Esse isolamento deveria ter sido feito, depois dos primeiros 30 dias, de forma vertical, cuidando das pessoas com problemas respiratórios, das pessoas cardíacas, dos idosos, das pessoas com deficiência...deveria ter sido cuidado disso, e não fechado o comércio do jeito que foi feito, quebrando e desempregando todo mundo, agora nós vamos ter que consertar isso tudo. E não vai ser fácil não", alertou Russomanno.

Enquanto esteve no evento com empresários, Russomanno falou sobre outros temas do comércio. Ele prometeu que não vai permitir a venda de pirataria em São Paulo e prometeu dar um auxílio para empresários.

"Eu vou fazer tudo para trazer as coisas para São Paulo, inclusive recursos para os pequenos e médios empresários. O auxílio paulistano é o complemento ao auxílio emergencial, que a gente mantém a economia girando. Porque se tem dinheiro para comprar, a gente está fazendo com que a sociedade gire", concluiu Russomanno.