PUBLICIDADE
Topo

Bilionário investigado volta atrás e desiste de candidatura no Paraná

João Carlos Ribeiro (PSC) informou à Justiça Eleitoral a desistência da candidatura em Pontal do Paraná - Divulgação
João Carlos Ribeiro (PSC) informou à Justiça Eleitoral a desistência da candidatura em Pontal do Paraná Imagem: Divulgação

Do UOL, em Brasília

25/10/2020 16h40

Após desmentir assessoria e afirmar que permaneceria na disputa, o bilionário João Carlos Ribeiro (PSC) voltou atrás e informou hoje à Justiça Eleitoral a desistência de sua candidatura à prefeitura de Pontal do Paraná.

A decisão foi tomada após investigações da Polícia Federal apontarem suspeitas do envolvimento de Ribeiro com o pagamento de propina a fiscais do Ibama para a concessão de licenças ambientais. O empresário nega irregularidades e, por meio de sua assessoria, informou que vai provar sua inocência.

Com mais de R$ 1,5 bilhão em bens declarados à Justiça Eleitoral, Ribeiro tem interesse em construir um porto privado na cidade de 28 mil habitantes, um dos sete municípios do litoral do Paraná.

Na semana passada, a operação "O Quinto Ato" cumpriu 12 mandados de busca e apreensão em Curitiba, Pontal do Paraná, Gaspar (SC) e São Paulo, seguindo ordens do STF (Supremo Tribunal Federal). Entre os investigados, também está o senador Fernando Collor (PROS-AL).

Segundo a PF, o esquema criminoso teria ocorrido entre 2014 e 2015 para facilitar a liberação da licença ambiental de instalação do Porto de Pontal.

A desistência da candidatura chegou a ser confirmada na última sexta-feira (23) pela assessoria de imprensa do empresário, em nota que justificava a decisão com o argumento de que ele pretendia "se dedicar pessoalmente à sua defesa contra as denúncias nas quais foi envolvido", dizia o texto.

Mas o anúncio da sexta foi desmentido pelo próprio empresário, ontem, em vídeo no qual afirmava: "Estamos firmes em nossa campanha".

A afirmação de Ribeiro não se sustentou e, hoje, os advogados dele protocolaram na Justiça Eleitoral a carta de renúncia à candidatura assinada pelo empresário. A carta entregue à Justiça Eleitoral foi assinada com a data de 21 de outubro.