PUBLICIDADE
Topo

Covas gasta o triplo de Boulos por voto obtido para a Prefeitura de SP

Guilherme Boulos (PSOL) e Bruno Covas (PSDB) disputam o segundo turno da eleição paulistana - 16.11.2020 - Kelly Queiroz/CNN Brasil
Guilherme Boulos (PSOL) e Bruno Covas (PSDB) disputam o segundo turno da eleição paulistana Imagem: 16.11.2020 - Kelly Queiroz/CNN Brasil

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

19/11/2020 04h00

O custo por voto da campanha à reeleição do prefeito paulistano, Bruno Covas (PSDB), foi equivalente ao de três de seu adversário no segundo turno, Guilherme Boulos (PSOL).

Com base nos dados apresentados à Justiça Eleitoral para a prestação parcial de contas da candidatura, o tucano gastou o equivalente a R$ 10,22 por voto. Já Boulos, R$ 3,08. O cálculo é baseado no valor referente às despesas da campanha dividido pelo número de votos obtidos no primeiro turno.

Covas foi quem mais gastou até o momento: R$ 17,9 milhões. Essa quantia é próxima da soma das despesas de todos os outros 12 adversários juntos: cerca de R$ 19 milhões.

Oponente do tucano, Boulos já acumula despesas de R$ 3,3 milhões e tem a quarta campanha mais rica, apenas atrás de Covas, Joice Hasselmann (PSL) e Jilmar Tatto (PT) —passe o mouse sobre as barras para mais detalhes sobre cada candidato.

Confira a votação de cada candidato:

  1. Bruno Covas (PSDB): 1.754.013
  2. Guilherme Boulos (PSOL): 1.080.736
  3. Márcio França (PSB): 728.441
  4. Celso Russomanno (Republicanos): 560.666
  5. Arthur do Val (Patriota): 522.210
  6. Jilmar Tatto (PT): 461.666
  7. Joice Hasselmann (PSL): 98.342
  8. Andrea Matarazzo (PSD): 82.743
  9. Marina Helou (Rede): 22.073
  10. Orlando Silva (PCdoB): 12.254
  11. Levy Fidelix (PRTB): 11.960
  12. Vera Lúcia (PSTU): 3.052
  13. Antônio Carlos (PCO): 630

Mais dinheiro

Até o final da eleição, os números podem mudar, já que as campanhas têm até um mês após o fim do pleito para fazer a prestação de contas final. No caso de Covas e Boulos, os números devem mudar, já que terão gastos novos por conta do segundo turno.

Na reta final do primeiro turno, tucanos compartilharam mensagens pedindo doações a apoiadores. "Ajude nossa mensagem a chegar a mais gente", dizia o texto que encaminhava para um site que, até a manhã de ontem, mostrava que o tucano havia arrecadado cerca de R$ 83,4 mil a partir de 253 transferências.

Covas, porém, foi quem mais arrecadou de pessoas físicas, tendo recebido quantias de mais de R$ 100 mil de bilionários desde o início da campanha.

A campanha do candidato do PSOL já enviou pedidos a apoiadores por doações. "Para dar conta da nossa campanha intensa de segundo turno, nós vamos precisar de nossa arrecadação", disse Boulos em áudio para seus eleitores. Ele diz que a verba conquistada será utilizada para custear programas do horário eleitoral e outras atividades.

Segundo o site de Boulos, sua campanha já recebeu 12.989 doações, que acumularam cerca de R$ 1,3 milhão até a manhã de ontem. Ontem, porém, a campanha disparou um "pedido urgente" nas redes sociais por R$ 110 mil para imprimir panfletos e adesivos.

No vermelho

No momento, a campanha do tucano precisará arrecadar mais dinheiro. A candidatura de Covas gastou cerca de R$ 18 milhões, mas arrecadou R$ 15,3 milhões, de acordo com a atualização de 16 de novembro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A única outra candidatura no vermelho, segundo a prestação parcial, é a de Andrea Matarazzo, que gastou cerca de R$ 530 mil a mais do que obteve de receita.

Sobre o valor negativo, a campanha de Matarazzo disse que "atua dentro do prazo, tanto de arrecadação quanto para honrar despesas". Já a de Covas não respondeu.

Considerando a última atualização, até agora, a campanha que gastou menos por voto foi a de Márcio França (PSB). Foi o equivalente a R$ 1,30. Já o custo maior foi de Orlando Silva (PCdoB): R$ 56,23.

Em nota ao UOL, Orlando disse que sua campanha foi "modesta em valores materiais e rica nas ruas". Apesar de proporcionalmente ter o custo de voto mais alto, ele diz que sua candidatura gastou "15 vezes menos que o primeiro colocado [Covas] e quatro vezes menos que o segundo [Boulos]". "Nossos eleitores potenciais migraram para o voto útil em Boulos. Isso fez diferença."

Para os cálculos, foram desconsideradas as prestações de Levy Fidelix (PRTB) e Antônio Carlos Silva (PCO) porque os valores mais recentes são do final de outubro.