Topo

Mãe de desaparecidos na ditadura argentina diz que Francisco "chegou tarde demais"

Maria Martha Bruno

Do UOL, em Buenos Aires

14/03/2013 06h00

A escolha do argentino Jorge Mario Bergoglio, 76, como o novo papa, Francisco, nesta quarta-feira (13), causou controvérsia entre associações de direitos humanos do país. O cardeal é suspeito de ter sido cúmplice em crimes cometidos pela última ditadura militar na Argentina (1976-1983). 

Ele foi chefe da Congregação Jesuíta entre 1973 e 1979 e é acusado de ter colaborado com o sequestro de Francisco Jalics e Orlando Yorio, sacerdotes e seus então companheiros na entidade. 

A denúncia partiu do jornalista Horacio Verbitsky, presidente da ONG Cels (Centro de Estudios Legales y Sociales). No livro “O Silêncio”, ele se apoia em declarações de Yorio, um dos jesuítas sequestrados, morto em 2000. 

Apesar de guardar algumas palavras benevolentes sobre a atuação do novo papa junto aos mais humildes, Lita Boitano, 81, presidente da Associação de Familiares de Desaparecidos e Presos por Razões Políticas, diz que “sobre os desaparecidos, presos e assassinados, ele chegou tarde demais”. 

Segundo ela, “Bergoglio nunca fez uma autocrítica da Igreja. Não acho que teve o melhor comportamento sobre isso, portanto”.

Lita teve dois filhos desaparecidos durante o período e fundou o primeiro grupo que contestou e lutou contra os militares, apenas seis meses após o golpe de 1976. Ela afirma categoricamente que “a hierarquia eclesiástica nunca esteve comprometida com a nossa causa”. 

Católica declarada, Lita esteve exilada justamente na Itália entre 1979 e 1983 e, apesar das críticas, à postura da Igreja quanto à repressão no país, afirma que conseguiu manter a fé até hoje. 

“Agradeço a Deus por não ter perdido a fé durante os anos em que vivi em Roma, porque se há um lugar que pode acabar com a fé de uma pessoa, este lugar é o Vaticano”.  

Autor de denúncia prevê retrocesso

O advogado Marcelo Parrilli foi o primeiro a denunciar penalmente Jorge Bergoglio pelo suposto envolvimento com o sequestro dos dois sacerdotes. A causa, que teve início em 2005, não avançou e ainda está em processo de investigação. 

“Agora então acho que não vai avançar nem mais um passo”, prevê o advogado, com ironia. Para ele, a lentidão está claramente relacionada ao poder da Igreja Católica. Nas audiências de instrução, Bergoglio sequer depôs como réu, mas como testemunha do caso. 

Assim como Lita, Parrilli coincide com o perfil de militante popular e humilde do novo pontífice, mas diz que esse retrato na verdade tem a ver com a linha da Igreja Católica argentina.  

“É uma das mais conservadoras do mundo. E como acabamos de sair do pontificado de um papa como Ratzinger, que foi membro da juventude hitlerista, acho que Bergoglio é visto quase como um progressista”, analisa, mais uma vez com ironia. 

A atual titular das Mães da Praça de Maio (entidade que luta pelos direitos dos desaparecidos políticos), Hebe de Bonafini, coincidentemente está na Itália, onde foi receber uma condecoração. A instituição afirmou que divulgará um comunicado sobre a escolha de Bergoglio nesta quinta-feira (14). 

Estela de Carloto, presidente das Avós da Praça de Maio, tampouco se pronunciou sobre o assunto, mas o grupo também deve divulgar uma nota sobre a escolha de Francisco.  

Conclave para escolha do novo papa
Conclave para escolha do novo papa
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','71210', '')

Mais Internacional