Topo

Papa pede perdão por pedofilia na igreja e promete "sanções"

Do UOL, em São Paulo

11/04/2014 08h36Atualizada em 11/04/2014 14h45

O papa Francisco pediu perdão nesta sexta-feira (11) pelos casos de pedofilia e abusos sexuais cometidos por sacerdotes da Igreja Católica.

"Sinto obrigação de me responsabilizar e pedir perdão pessoalmente pelo dano que [alguns sacerdotes] fizeram ao abusar sexualmente de crianças", afirmou Francisco, segundo a Rádio Vaticano.

O pontífice descreveu os abusos como "danos morais cometidos por homens da igreja" e disse que "sanções" serão impostas. 

As declarações foram feitas durante encontro com uma ONG católica de defesa dos direitos da infância. 

"Não vamos dar um passo para trás com relação a como lidamos com esse problema e às sanções que devem ser impostas", disse o papa, acrescentando: "Temos de ser ainda mais fortes".

Em relatório divulgado em fevereiro, o  Comitê da ONU sobre os Direitos das Crianças afirmou que a Santa Sé permitiu o abuso sexual de milhares de crianças e ordenou que o Vaticano removesse "imediatamente" de seus cargos os responsáveis por cometer tais crimes.  

Segundo o relatório a Santa Sé "adota políticas e práticas" que levam à continuação dos abusos e à impunidade dos autores.  

O relatório da comissão foi escrito após uma longa análise de documentos apresentados pelo Vaticano para prestar esclarecimentos à ONU sobre o que tem sido feito para conter os abusos sexuais. Essa apresentação ocorreu no último dia 16 de janeiro, em um painel realizado em Genebra, na Suíça.  

Signatário da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança desde abril de 1990, o Vaticano apresentou seu primeiro relatório sobre o tema em 1994, examinado em 1995.

A audiência do início de janeiro, porém, foi a primeira vez que a Santa Sé se pronunciou após um pedido oficial do comitê da ONU. O organismo enviou uma série de perguntas ao Vaticano em julho de 2013, mas no fim do ano passado a Santa Sé se negou a disponibilizar documentos referentes às investigações dos casos de pedofilia.  

Ao longo de sua história, o Vaticano já recebeu dezenas de denúncias de pedofilia em todo o mundo. Uma das punições aplicadas pela Santa Sé é afastar os sacerdotes envolvidos nos casos e realizar uma investigação interna.   

No mês passado, o papa nomeou os primeiros oito membros da Comissão de Proteção às Crianças, órgão instituído por ele para combater a pedofilia. O grupo é formado por quatro homens e quatro mulheres, incluindo o cardeal norte-americano Sean O'Malley e uma vítima de abusos, a irlandesa Marie Collins.   (Com agências internacionais)

Mais Internacional