Topo

Interrupção de cessar-fogo deixa mais de 60 palestinos mortos em Gaza

Do UOL, em São Paulo

01/08/2014 08h41Atualizada em 01/08/2014 14h34

Apenas duas horas após o anúncio de um cessar-fogo humanitário na faixa de Gaza, onde o confronto entre o Exército de Israel e o Hamas já provocou mais de 1.500 mortes, novos ataques (e a quebra da trégua) deixaram ao menos 62 palestinos mortos e 350 feridos, segundo o Ministério da Saúde local.

Arte/UOL
Mapa mostra localização de Israel, Cisjordânia e Gaza Imagem: Arte/UOL

Israel confirmou o rompimento do cessar-fogo durante anúncio feito pelo tenente-coronel Peter Lerner em uma teleconferência com jornalistas. O militar falou sobre o possível sequestro de um soldado israelense durante operações para desativar um túnel do Hamas, quando as forças de Israel teriam sido atacadas inclusive por um homem-bomba, na região sul da faixa.

As operações para a identificação de túneis estariam autorizadas durante as 72 horas de trégua, mas os soldados teriam sido surpreendidos por militantes do Hamas. De acordo com o Exército, os homens do Hamas surgiram de um túnel escondido, e um deles detonou um cinto com explosivos, preso ao seu corpo.  

"Indicações iniciais sugerem que um soldado foi raptado por terroristas em um incidente em que terroristas violaram o cessar-fogo", disse o porta-voz do Exército israelense. Perguntado se isso representava o fim da trégua, ele respondeu: "Sim. Nós continuamos com nossas atividades em terra". As operações de Israel passam a incluir agora a busca pelo militar desaparecido.

De acordo com a Israel Radio, o segundo-tenente Hadar Goldin, 23, de Kfar Saba, é o soldado raptado, informação confirmada pelo Twitter do IDF (Forças de Defesa de Israel, em inglês). O rapaz teria sido capturado em Rafah, no sul da faixa de Gaza.

O Hamas ainda não confirma o rapto, afirma que o incidente ocorreu antes do cessar-fogo e devolve para Israel a acusação de violação da pausa humanitária. Segundo o movimento islâmico radical, Israel se aproveitou da situação para romper a trégua, com ataques de artilharia na região sul da faixa de Gaza.

"A ocupação [Israel] violou o cessar-fogo. A resistência palestina agiu em nome de seu direito a se defender [e] para colocar fim ao massacre de nosso povo", declarou em um comunicado o porta-voz do Hamas, Fawzi Barhum.

A ONU disse que dois soldados israelenses teriam sido mortos possivelmente durante o mesmo embate que resultou no sequestro. A organização afirmou que foi informada por Israel de "um sério incidente na manhã de hoje após o começo do cessar-fogo humanitário às 8h [2h em Brasília], envolvendo um túnel atrás das linhas do IDF na área de Rafah".

Robert Serry, enviado da ONU ao Oriente Médio, declarou que, "se os fatos forem confirmados, se trata de uma séria violação do cessar-fogo humanitário da parte de facções palestinas e será preciso uma condenação em termos fortes".  

Em 25 dias de ofensiva, o número de mortos ultrapassou 1.500, segundo o Ministério da Saúde em Gaza, entre eles pelo menos 251 crianças, e os feridos chegam a 8.000. Do lado israelense, são 63 soldados mortos e três civis.