Atentado terrorista em metrô deixa mortos em São Petersburgo, na Rússia

Do UOL, em São Paulo

Um atentado a bomba atingiu o metrô de São Petersburgo, na Rússia, nesta segunda-feira (3), deixando pelo menos 11 mortos e mais de 30 feridos, segundo autoridades do país. Ela ocorreu às 14h40 locais (8h40 de Brasília) enquanto o trem se movia da estação Tekhnologichesky Institut para a Sennaya Ploshchad, de acordo com relatos de testemunhas.

O Comitê Antiterrorismo também confirmou que desativou uma outra bomba encontrada na estação de metrô Ploshchad Vosstaniya, e todas as 67 estações de metrô da cidade foram fechadas.

O premiê russo, Dmitry Medvedev, afirmou no Facebook que a explosão foi um "atentado terrorista".

A investigação foi aberta por ato terrorista", indicou o Comitê de Investigação russo em um comunicado, acrescentando que os investigadores vão examinar "todas as outras eventuais pistas".

Antes, o presidente Vladimir Putin, que nasceu em São Petersburgo, havia dito que as causas da explosão não estavam claras, mas que considerava a possibilidade de terrorismo. 

Putin também expressou condolências após o ataque. "Naturalmente, sempre analisamos todas as possibilidades: acidental, criminal e, claro, de caráter terrorista", afirmou. "Veremos, a investigação dará em breve uma resposta sobre o que ocorreu." 

"Faremos o máximo para esclarecer os fatores que tornaram possível esse ataque terrorista e para evitar novos casos no futuro", afirmou o procurador-geral russo, Aleksandr Kurennoi, em entrevista à emissora Vesti-24.

A autoria do atentado não é sabida. Militantes chechenos são os "culpados usuais" por atentados em território russo, mas não está descartada uma ação do Estado Islâmico, tendo em vista as operações militares russas na Síria.

A Rússia emitiu mandados de buscas para duas pessoas pelo suposto envolvimento na explosão, disse uma fonte da área de segurança à agência de notícias Interfax.

"Duas pessoas estão sendo procuradas por suspeita de planejarem as explosões, acredita-se que uma delas tenha colocado o artefato explosivo no vagão do metro e que a segunda pessoa tenha deixado uma bomba na estação de metrô Ploshchad Revolutsii", disse a fonte à Interfax.

Equipes de resgate e policiais trabalham no resgate de pessoas. Imagens publicadas em redes sociais mostram pessoas sendo atendidas e pelo menos um vagão do metrô destruído. Muita fumaça atingiu a estação.

A cidade também fechou o tráfego no Prospekt de Moscou, uma longa avenida em São Petersburgo, permitindo apenas a circulação de ambulâncias que se dirigiram à toda velocidade para o local da explosão.

Arte/UOL

"Minha mãe estava no metrô, mas não sei como ela está, não consigo contatá-la", explicou Natalia, que esperava angustiada do lado de fora da estação Tekhnologichesky Institut.

Antes do ocorrido, Putin estava em São Petersburgo para se reunir com o presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko; no momento da explosão, ele estaria em Strelna, próxima à cidade, de acordo com um porta-voz do Kremlin.

A emissora Pjatyj kanal publicou uma imagem do que seria a bomba que acabou desativada pelos policiais russos.

O incidente levou as autoridades de Moscou a efetuar medidas de segurança no metrô da capital russa para evitar ataques. O aeroporto de Pulkolvo, em São Petersburgo, também teve sua segurança reforçada.

São Petersburgo, antiga Leningrado no período do regime soviético, é a segunda maior cidade da Rússia, com mais de 5 milhões de habitantes.

A Rússia tem sido alvo de vários atentados, geralmente nas instáveis repúblicas russas do Cáucaso, onde grupos separatistas e extremistas costumam realizar ataques na região.

O grupo Estado Islâmico convocou seus adeptos a atacar a Rússia em função da intervenção russa em apoio às forças do presidente Bashar al Assad na Síria, desde setembro de 2015. Os serviços de segurança russos anunciaram em várias ocasiões ter desmantelado células extremistas que tinham a intenção de atacar a capital Moscou ou a cidade de São Petersburgo.

Moscou sofreu dois ataques no metrô nos últimos 13 anos. Em fevereiro de 2004, um homem se explodiu na estação Avtozavodskaya, matando 41 pessoas; em março de 2010, duas mulheres acionaram bombas nas estações Lubyanka e Park Kultury, deixando 40 mortos. Nos dois casos, os terroristas eram ligados a grupos islâmicos separatistas do Cáucaso. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos