Topo

Sul-coreanos se trancam em cadeia para fugir da prisão do cotidiano

Kim Hong-Ji/Reuters
Participantes são vistos através das janelas da prisão "Prison Inside Me", em Hongcheon, na Coreia do Sul Imagem: Kim Hong-Ji/Reuters

Kim Hong-Ji

Da Reuters

04/12/2018 04h01

Para a maioria das pessoas, a prisão é um lugar do qual é preciso escapar. Mas para os sul-coreanos que precisam de uma pausa nas demandas da vida cotidiana, passar um dia ou dois em uma prisão falsa é a fuga.

"Esta prisão me dá uma sensação de liberdade", disse Hye-ri Park, 28, funcionária de escritório que pagou US$ 90 (R$ 345) para passar 24 horas trancada em uma prisão simulada.

Desde 2013, a instalação "Prison Inside Me" (A Prisão Dentro de Mim) no nordeste de Hongcheon recebeu mais de 2.000 presos, muitos dos quais trabalhadores de escritório e estudantes que buscam alívio do trabalho exigente e da cultura acadêmica sul-coreana.

KIM HONG-JI/REUTERS
10.nov.2018 - Participantes se preparam para serem presos Imagem: KIM HONG-JI/REUTERS

"Eu estava muito ocupada", disse Park, sentando-se em uma cela de 5 metros quadrados. "Eu não deveria estar aqui agora, dado o trabalho que preciso fazer. Mas decidi fazer uma pausa e olhar para mim mesmo para uma vida melhor."

As regras da prisão são rigorosas. Não pode conversar com outros presos. Não há telefones celulares ou relógios.

Os clientes recebem um uniforme azul da prisão, um tapete de ioga, um jogo de chá, uma caneta e um caderno. Eles dormem no chão. Há um pequeno banheiro dentro do quarto, mas nenhum espelho.

O menu inclui batata-doce ao vapor e vitamina de banana para o jantar, além de mingau de arroz no café da manhã.

A co-fundadora Ji-Hyang Noh disse que a prisão simulada foi inspirada por seu marido, que costuma fazer jornadas de 100 horas de trabalho por semana.

"Ele disse que prefere ficar em um confinamento solitário por uma semana para descansar e se sentir melhor", disse ela. "Esse foi o começo."

KIM HONG-JI/REUTERS
10.nov.2018 - Participante tira um cochilo Imagem: KIM HONG-JI/REUTERS

Uma desaceleração na economia de alta tecnologia e exportação da Coreia do Sul fez crescer a hipercompetitividade nas escolas e um ambiente de trabalho que, segundo especialistas, aumentam a incidência de estresse e suicídio.

Os sul-coreanos trabalharam 2.024 horas em média em 2017, a terceira jornada mais longa do mundo, depois do México e da Costa Rica, em uma pesquisa com 36 países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Para ajudar as pessoas a trabalhar menos e ganhar mais, o governo elevou o salário mínimo e reduziu o limite legal de horas de trabalho de 68 para 52 por semana. Mas as políticas podem sair pela culatra e colocar em risco mais empregos do que conseguem criar, dizem os economistas.

Noh disse que alguns clientes têm receio de passar 24 ou 48 horas em uma cela de prisão antes de experimentar.

"Depois de uma estadia na prisão, as pessoas dizem: 'Isto não é uma prisão, a verdadeira prisão é para onde voltamos'", disse ela.

Tradutor: Thiago Varella

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Newsletters

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero receber