Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Bolsonaro confirmou que mudará embaixada para Jerusalém, diz Netanyahu

Twitter
Imagem: Twitter

Talita Marchao

Do UOL, no Rio

30/12/2018 13h19Atualizada em 30/12/2018 16h41

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou neste domingo (30), durante encontro com a comunidade judaica no Rio de Janeiro, que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) assegurou que a embaixada brasileira será transferida para Jerusalém. "Não é questão de 'se', é de 'quando'", afirmou o premiê em discurso em Copacabana, na zona sul da cidade.

"Bolsonaro me disse: 'Vou mudar a embaixada para Jerusalém'", relatou Netanyahu aos presentes.

A embaixada brasileira em Israel funciona, atualmente, na cidade de Tel Aviv, internacionalmente reconhecida como a capital do país. Desde o começo do século 20, árabes e judeus travam uma intensa disputa para transformar Jerusalém em capital da Palestina e de Israel, respectivamente. 

Por isso, transferir a embaixada é um movimento que pode ser interpretado como o reconhecimento por parte de Brasil que Jerusalém é a capital israelense, uma decisão considerada polêmica. De acordo com resoluções da ONU (Organização das Nações Unidas), o destino da cidade sagrada deve ser decidido em negociações entre Israel e os palestinos.

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro disse que mudaria a embaixada de cidade. No sábado (29), porém, ele divulgou em sua conta no Twitter um vídeo no qual diz que ainda está avaliando a transferência. A afirmação foi feita durante entrevista ao pastor Silas Daniel, gravada em 11 de dezembro, mas divulgada ontem. Neste domingo, Bolsonaro não se pronunciou sobre o tema.

Mais tarde, durante encontro com a comunidade cristã, Netanyahu elogiou Bolsonaro. "Jair é o nome do nosso filho mais velho, e significa 'trazer a luz'. Acho que teremos a oportunidade de fazer isso juntos, trazer muita luz. É uma aliança de irmandade", disse o premiê.

Netanyahu está no Brasil a convite de Bolsonaro e confirmou presença na posse, no dia 1º de janeiro. "Israel está vindo para a América Latina, a América Latina está indo para Israel", disse o premiê, que viajará para Brasília na terça-feira. Além de participar da posse, ele deve se reunir com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e com o presidente do Chile, Sebastián Piñera.

O premiê descartou qualquer risco de terrorismo para os países que estão mudando suas embaixadas para Jerusalém, como Estados Unidos e Guatemala já fizeram. "Em um ano desde a mudança dos Estados Unidos, não tivemos nenhum caso por causa das embaixadas. Nossa inteligência mostra que a mudança não representa riscos."

Sob anonimato, uma autoridade israelense que participou do encontro entre Bolsonaro e Netanyahu na sexta-feira (28) afirmou que a mudança da embaixada não é precondição para os acordos e parcerias que devem ser firmados no novo governo.

A Liga Árabe fez um alerta ao Brasil, no começo de dezembro, sobre os prejuízos que poderiam ser causados nas relações com os países árabes. Uma carta do secretário-geral da liga, Ahmed Aboul-Gheit, foi entregue ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

Passeio e caipirinha na orla carioca

Em seu primeiro dia no Brasil, Netanyahu visitou a praia do Leme, na zona sul, acompanhado da mulher, Sara. Em um restaurante, o casal escolheu pratos brasileiros, cerveja e caipirinha.

Netanyahu almoça com a mulher em restaurante no Leme, Rio de Janeiro - Divulgação
Netanyahu almoça com a mulher em restaurante no Leme, Rio de Janeiro
Imagem: Divulgação

Neste domingo, o premiê falou sobre a experiência do dia anterior: "Ouvi gritos de 'Palestina livre', mas também fui muito aplaudido", disse. E ainda destacou a importância do voo direto entre São Paulo e Tel Aviv, afirmando que Israel está tentando um acordo com o Chade para que o voo possa sobrevoar o território do país e, assim, encurtar a viagem de 4 horas até a capital paulista --desse modo, o voo duraria 11 horas.

"O Brasil representa uma série de oportunidades surpreendentes, principalmente em setores como segurança, tecnologia e agricultura", afirmou Netanyahu. Segundo ele, estes temas estão em discussão com a equipe de Bolsonaro, para debater sobre como trabalharão juntos no próximo governo. "Será uma grande parceria", disse.

Netanyahu almoça sob forte esquema de segurança na praia do Leme, no Rio

UOL Notícias

Mais Internacional