Topo

Embaixador alemão diz querer melhorar "reputação meio errada" do Brasil

Romério Cunha/VPR
Com viagem de Bolsonaro a Davos, o general Hamilton Mourão assume o exercício da Presidência da República Imagem: Romério Cunha/VPR

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

21/01/2019 16h38Atualizada em 21/01/2019 16h58

Após visita ao vice-presidente, Antônio Hamilton Mourão (PRTB), nesta segunda-feira (21), o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, afirmou querer melhorar uma "reputação do Brasil que pode ser meio errada". Desde a noite de ontem, Mourão é o atual presidente da República em exercício, devido à viagem de Jair Bolsonaro (PSL) a Davos.

"Temos um outro lado na imprensa. Há em parte da sociedade alemã uma reputação do Brasil que pode ser meio errada, então queremos também cooperar a fim de melhorar essa reputação", disse. 

"É um certo nervosismo de que a situação pode deteriorar, a luta contra a mudança do clima pode ser terminada. Eu não acho que isso reflita a verdade, porém, há uma opinião pública bastante crítica. Portanto, os melhores argumentos são fatos", acrescentou.

Segundo Witschel, essa reputação negativa do governo de Bolsonaro se formou durante a campanha eleitoral no ano passado e está presente em parte da sociedade e imprensa alemãs, assim como em outros países da União Europeia e na Nova Zelândia.

"Há uma preocupação em partes da nossa sociedade, como muitas mídias. Então, queremos cooperar, medir o novo governo segundo os atos, os fatos, e não segundo, digamos, os tuítes, as palavras durante a campanha", falou.

A fim de reverter a situação, o embaixador avaliou ser importante que o governo brasileiro exponha de forma direta suas intenções, como as reformas pretendidas, e reafirme o compromisso com os direitos humanos e o combate ao aquecimento global.

Quanto ao encontro com Mourão, ele o classificou como "excelente" e disse terem tratado de Venezuela, Colômbia, Oriente Médio e Mercosul (Mercado Comum do Sul).

"Foi uma conversa excelente. Foi uma conversa que indica que é uma abordagem razoável, baseado nos valores comuns, nos interesses comuns, nos direitos internacionais, na carta das Nações Unidas. Uma base que vale, que é bom porque é racional, é razoável", afirmou.

O embaixador informou que o governo alemão prepara duas visitas de ministros do país aos pares brasileiros, mas que ainda não há previsão de um convite para que Bolsonaro faça uma visita oficial de Estado.

Acordo de Paris

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro ameaçou tirar o Brasil do Acordo de Paris -- firmado com o objetivo de reduzir os impactos do efeito estufa e minimizar o aquecimento global. No entanto, após ser eleito, o presidente teria concordado em manter o país no acordo, segundo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Witschel não chegou a tratar de demarcação de terras indígenas e da Funai (Fundação Nacional do Índio) com Mourão, disse. Ele ressaltou, porém, que a Alemanha tem interesse em continuar contribuindo com o Fundo Amazônia com contrapartidas, como já é a prática, e, até o momento, nunca houve caso de corrupção ou desperdício de dinheiro na parceria.