Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Sri Lanka teve aviso da polícia há 10 dias sobre possível atentado suicida

Do UOL, em São Paulo*

21/04/2019 16h24

Em 11 de abril, um oficial de polícia do Sri Lanka mandou um comunicado para funcionários de segurança do governo com um aviso sobre possíveis atentados suicidas em igrejas católicas. Neste Domingo de Páscoa, dez dias depois, uma série de ataques a hotéis e igrejas no país deixou mais de 200 mortos e ao menos 450 feridos. Até o momento, oito suspeitos foram presos.

"Vocês devem instruir todo o pessoal a se atentar a esse documento e ser extremamente vigilante e cauteloso com as autoridades e os locais sob sua tutela", escreveu o vice-inspetor geral Priyalal Dassanayake em documento ao qual o jornal New York Times teve acesso.

Citando oficiais de inteligência estrangeiros, a carta identifica o grupo suspeito de planejar os ataques como National Thouwheed Jamaat. O vice-inspetor deu o nome de membros do grupo que, segundo ele, defendem a disseminação do islã matando os "não crentes".

"Investigações altamente confidenciais a respeito do descrito acima estão em processo", apontou o documento.

Cedido por um funcionário do governo, o alerta não pôde ser verificado de forma independente pelo New York Times e não está claro se o grupo teve realmente participação no ataque.

Segundo o ministro da Defesa, Ruwan Wijewardene, há uma semana o inspetor-chefe, Pujith Jayasundara, colocou unidades policiais em alerta sobre potenciais ataques a igrejas. No entanto, não ficaram claras quais foram as medidas tomadas para evitar os atentados.

O primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe condenou os ataques e afirmou que seu gabinete não recebeu as informações passadas à imprensa por Wijewardene. De acordo com o premiê, o governo investigará por que as autoridades policiais não tomaram precauções.

O ministro da Defesa também afirmou que, a partir de agora, serão tomadas "medidas contra qualquer grupo extremista que estiver operando" no Sri Lanka.

Ataques a minorias religiosas

Imagens divulgadas pela imprensa local mostram a magnitude da explosão em pelo menos uma das igrejas, com o teto do templo semidestruído, escombros e corpos espalhados enquanto o povo tenta socorrer os feridos.

Os fiéis celebravam o Domingo de Páscoa, o dia mais importante dentro dos ritos cristãos da Semana Santa. O arcebispo de Colombo, Malcom Ranjit, pediu que o governo do Sri Lanka "puna sem piedade" os responsáveis pelos atentados. No Vaticano, o papa Francisco condenou os ataques.

Os ataques contra minorias religiosas na ilha vêm se repetindo. Os últimos de relevância aconteceram em 2018, quando o governo declarou estado de emergência depois de confrontos entre muçulmanos e budistas.

No Sri Lanka, um mosaico étnico e religioso, a população cristã representa 7%, enquanto os budistas são cerca de 70%; os hinduístas, 13%; e os muçulmanos, 10%.

O país viveu em guerra civil de 1983 a 2009. Pelo menos 80 mil pessoas foram mortas no período.

* New York Times e agências internacionais

Mais Internacional