Topo

Maduro: "É estúpido Bolsonaro apoiar Pinochet e dizer que sou ditador"

Nicolas Maduro e Monica Bergamo - Marlene Bergamo/Folhapress
Nicolas Maduro e Monica Bergamo Imagem: Marlene Bergamo/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

17/09/2019 08h13

O ditador venezuelano Nicolas Maduro fez ataques a Jair Bolsonaro e lembrou dos elogios feitos pelo presidente brasileiro a Pinochet para negar que seja autoritário. Em entrevista à Folha de S.Paulo ele falou sobre o momento complicado do seu país e fez críticas até a Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai.

Maduro recebeu a jornalista Mônica Bergamo em Caracas, na sexta-feira (13). A entrevista, marcada para quinta, chegou a ser desmarcada por conta de uma decisão da OEA (Organização dos Estados Americanos) de convocar uma reunião para estudar a ativação de um tratado que pode levar à intervenção militar na Venezuela, que modificou sua agenda.

Bergamo relata que Maduro vive dias frenéticos, enfrentando problemas como a queda do preço do petróleo, o aumento do desemprego, da pobreza e da inflação e até falta de água e luz em Caracas. Tudo isso impulsiona a oposição, com apoio do presidente dos EUA, Donald Trump.

Maduro citou Bolsonaro ao dizer que ele elogia o ex-ditador chileno Augusto Pinochet, "o Hitler sul-americano". Além disso, afirma que quem fala em ditadura na Venezuela é "um estúpido" - e inclui Mujica na crítica. Leia trechos da entrevista, em que ele nega perseguir opositores e se disse preparado para guerra - apesar de adotar tom pacifista.

Sobre a decisão da OEA

Eu penso que haverá paz. Essa decisão foi tomada por um grupo de governos de ultradireita que está colocando seu extremismo ideológico à frente das políticas e do direito internacionais. Primeiro, [a decisão] não tem nenhuma aplicação. A Venezuela saiu do Tiar há muitos anos. Não somos parte desse tratado, que permitiu a invasão de vários países irmãos, como República Dominicana, Guatemala, Haiti, Panamá. É um tratado morto, e o único que resta é sepultá-lo abaixo da terra, bem sepultado. E defender o direito à paz, à não intervenção militar do povo da Venezuela. Eu estou seguro de que isso vai prevalecer por cima de tudo.

Seu poderio militar

A Força Armada Nacional Bolivariana está mais unida que nunca, mais coesa que nunca na defesa do direito à paz, à soberania, à independência e à autodeterminação da Venezuela. Todas essas ameaças do governo de Donald Trump, de [Jair] Bolsonaro, de invadir a Venezuela, o que têm feito é unir ideologicamente e institucionalmente a Força Armada Nacional Bolivariana. (...) O mundo não deve se esquecer de que a Venezuela tem uma força armada profissional, com um bom sistema de armas defensivo, poderoso. Além disso, temos 3 milhões de homens e mulheres voluntários, da milícia nacional. (...) Eles participam da defesa militar do país. Eu não quero falar de guerra. Quero falar de paz.

A Rússia o defenderia?

Com a Rússia temos alianças estratégicas, de cooperação militar. Temos um bom sistema de armas graças à Rússia. Com a China também temos bons acordos militares. Mas a defesa da Venezuela depende dos venezuelanos e das venezuelanas. Sempre tem sido assim.

Diálogo com Trump

Nós temos sido vítimas da agressão mais brutal que se pode fazer a um país. Congelaram US$ 30 bilhões em contas nossas no exterior por culpa do governo Trump. (...) Fui chanceler do comandante Hugo Chávez [morto em 2013] durante quase sete anos. Conheço a vida diplomática. E desde que sou presidente tenho dito aos EUA que o único caminho que temos no século 21 é o diálogo.

Marlene Bergamo/Folhapress
Imagem: Marlene Bergamo/Folhapress

Diálogo com o Brasil

Bem, tem havido sempre contato com as forças militares do Brasil, e creio que eles devem continuar. Com o governo, você sabe que Bolsonaro é um extremista ideológico. Recentemente ele declarou sua admiração pelo [ex] ditador [chileno] Augusto Pinochet, que é uma espécie de Hitler sul-americano. E em sua mente está apenas a agressão contra a Venezuela. Ele não é um político. Lamentavelmente, à frente de muitos governos da América do Sul não há políticos com "p" maiúsculo, com doutrina, que saibam respeitar a diversidade. Ele, como presidente do Brasil, com uma fronteira tão grande com a Venezuela, e uma história comum, estaria obrigado, se fosse um estadista, a ter uma comunicação mínima com a Venezuela. Voltarão os dias em que haverá um governo no Brasil com quem possamos nos entender.

É uma estupidez que ele [Bolsonaro] se declare admirador de Pinochet e diga que a revolução bolivariana é uma ditadura."

Mujica é "estúpido"

[Cita visita de comissão com Michelle Bachelet, ex-presidente de Chile] Falaram, mas não escutaram. Não viram o esforço imenso que nosso povo está fazendo em meio ao assédio do bloqueio econômico, profundamente criminoso. Dizer que a Venezuela é uma ditadura é uma estupidez histórica. E quem o diga é um estúpido.

Mesmo Mujica?

Quem seja. (...) Você tem um amigo que está sendo torturado. Você entra na sala de tortura e diz: 'Amigo, por que gritas tanto?'. O que é isso? Estão torturando e ameaçando a Venezuela, impedindo que importe alimentos e remédios. Por favor.

O futuro do país

Nós temos um plano econômico, um programa econômico. Nesse ano, declaramos a economia em fase de resistência. E estamos fazendo as bases para terminar o ano em melhor condições do que as que nos têm cabido viver. E começar 2020 e 2021 como dois anos de recuperação do crescimento econômico, de recuperação dos equilíbrios econômicos. E adaptação para poder superar os estragos da perseguição, do bloqueio e da agressão comercial e financeira, petroleira. A Venezuela vai seguir adiante, e nosso povo vai ter a proteção social, a segurança social que tem tido na revolução, e que nos tem permitido superar todas os tipos de obstáculos, todas os tipos de agressões. Eu diria ao povo do Brasil que a Venezuela necessita mais solidariedade. Mais apoio. Querem torturar e destruir a nossa economia para ver se tomam os controles das nossas riquezas. Não têm podido, nem poderão.

Internacional