PUBLICIDADE
Topo

Menino de 2 anos se afoga em hotel nos EUA e é salvo por enfermeiras

Menino de 2 anos se afoga em piscina de hotel nos EUA; ele ficou quatro minutos submerso até alguém perceber o problema - Reprodução/Facebook/The Sun
Menino de 2 anos se afoga em piscina de hotel nos EUA; ele ficou quatro minutos submerso até alguém perceber o problema Imagem: Reprodução/Facebook/The Sun

Do UOL, em São Paulo

16/02/2020 13h29Atualizada em 16/02/2020 20h26

Câmeras de segurança de um hotel registraram o momento em que um menino de 2 anos se afoga na piscina do local, mas é resgatado a tempo. O caso aconteceu em Livonia, no estado americano de Michigan.

As imagens mostram o garoto se aproximando da piscina sozinho. Ele entra, tenta nadar perto de outras pessoas e depois, muda para outro lado da piscina. É nesse momento que ele não consegue mais nadar e começa a afundar.

Em um determinado momento, ele não é mais visto nas imagens por estar no fundo da piscina. Vários adultos e crianças ao lado não percebem a situação.

O garoto ficou 4 minutos submerso, até que uma menina de nove anos percebe que algo está errado e vai avisar sua madrinha. Nesse momento, duas mulheres — enfermeiras de folga — pulam na água para pegar o menino.

Após tirá-lo da piscina, elas prestaram os primeiros socorros e tentaram reanimar o garoto. Ele foi levado ao hospital e liberado depois.

O Departamento de Polícia de Livonia compartilhou as imagens do incidente no dia 24 de janeiro em sua página no Facebook para alertar as pessoas sobre os perigos de não monitorar crianças pequenas quando estão na água.

"De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, três crianças morrem todos os dias como resultado de afogamento", diz o post.

A polícia ainda homenageou a menina, sua madrinha e as duas enfermeiras que ajudaram a salvar o garoto, cuja identidade não foi divulgada, com o Prêmio de Serviço Excepcional do Departamento de Polícia de Livonia, o maior elogio civil do estado.

"Desde a criança que identifica a criança de dois anos no fundo da piscina até a madrinha que salta para as enfermeiras que entram em ação e fazem o que são treinadas para fazer, elas são realmente as heroínas", disse o capitão Ron Taig.

Internacional