PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
6 meses

Irmão caçula de Donald Trump morre aos 71 anos em Nova York

Robert Trump e Donald Trump se abraçam em foto de 2016 - Chip Somodevilla/Getty Images
Robert Trump e Donald Trump se abraçam em foto de 2016 Imagem: Chip Somodevilla/Getty Images

Do UOL, em São Paulo*

15/08/2020 23h52

Robert Trump, 71 anos, irmão caçula do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, morreu na noite de hoje em Nova York. A informação foi divulgada por Trump em comunicado publicado no site oficial da Casa Branca.

"É com o coração pesado que compartilho que meu maravilhoso irmão, Robert, tranquilamente morreu na noite de hoje. Ele não era apenas meu irmão, mas também meu melhor amigo. Ele fará muita falta, mas nos encontraremos novamente. Sua memória viverá em meu coração eternamente. Robert, amo você. Descanse em paz", diz o texto.

Robert estava internado no Hospital Presbiteriano de Nova York. Não foi divulgado o motivo pelo qual ele foi hospitalizado, mas, segundo a CNN, ele já se encontrava doente há alguns meses. Ainda de acordo com a emissora, ele já havia sido internado em junho deste ano — os motivos também não foram divulgados na ocasião.

Trump visitou o irmão na tarde de ontem. Após 45 minutos de visita, o presidente dos EUA deixou o hospital e declarou à imprensa: "Espero que ele esteja bem, mas ele está passando por uma fase difícil". O presidente evitou responder perguntas sobre o estado de saúde do irmão.

Tenho um irmão maravilhoso. Temos um ótimo relacionamento há muito tempo, desde o primeiro dia
Donald Trump, sobre Robert Trump

O caçula

Nascido em 1948, Robert era o cacula de quatro irmãos. Era considerado pela mídia o mais reservado dos Trump. Ele era conhecido como uma pessoa modesta e filantropo generoso.

Nas empresas da família, era querido pelos funcionários. Embora não fosse o protagonista nas companhias, como Donald, ele chegou a ocupar o cargo de vice-presidente executivo da Organização Trump, supervisionando cassinos em Nova Jersey, a administrar as propriedades imobiliárias do conglomerado e a ter cadeira no conselho de diretores da Zenimax Media.

Robert chegou a brigar com o hoje presidente americano na década de 1990, segundo a biógrafa da família, Gwenda Blair. Desde então, ele deixou suas funções nas empresas e passou a atuar apenas como porta-voz.

Robert foi casado com a socialite de Nova York Blaine Trump, que conheceu em um evento de caridade, mas de quem se divorciou em 2007. Ele Morreu faltando 11 dias para completar 72 anos.

Ele recorreu sem sucesso aos tribunais para tentar impedir a publicação do livro escrito por sua sobrinha Mary Trump, com o título "Too Much and Never Enough: How My Family Created the World's Most Dangerous Man" (Demais e Nunca o Suficiente: Como Minha Família Criou o Homem Mais Perigoso do Mundo).

O livro, que apresenta o presidente dos Estados Unidos como produto de uma família "tóxica", é uma "vergonha", declarou Robert. Embora a Justiça tenha proibido a publicação temporariamente, um juiz suspendeu a ordem em julho.

Mary era filha do irmão mais velho de Trump, Fred Trump Jr, que morreu vítima de alcoolismo em 1981.

"Tio Robert, nós amamos você. Você está em nossos corações e orações, sempre", escreveu no Twitter a filha e conselheira do presidente, Ivanka Trump.

*Com agências

Internacional