PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
6 meses

Força Aérea americana faz testes com cães-robôs em deserto dos EUA

Cães-robôs foram usados para reconhecer o perímetro de uma possível pista de pouso hostil - Divulgação/USAF
Cães-robôs foram usados para reconhecer o perímetro de uma possível pista de pouso hostil Imagem: Divulgação/USAF

Do UOL, em São Paulo

09/09/2020 12h34

A Força Aérea dos Estados Unidos realizou na última semana testes para poder contar em breve com a ajuda de cães-robôs em suas operações militares. Na Base Aérea de Nellis, que fica na parte do Deserto de Mojave localizada no estado de Nevada, os americanos testaram a eficiência dos cães-robôs na defesa de perímetros.

Em um dos exercícios realizados durante quatro dias no deserto, os militares testaram como seria contar com a tecnologia para detectar possíveis ameaças em uma possível pista de pouso hostil. Com a capacidade de carregar diversos sensores, os cães-robôs saíram antes da aeronave usada nos testes, permitindo o reconhecimento da área sem colocar os agentes da Força Aérea em risco.

"Amadurecer esses conceitos e capacidades é necessário para lutar e vencer na era da informação", disse o General John Raymond, chefe de Operações Espaciais sobre os cães-robôs, conhecidos nos Estados Unidos como UGVs, ou veículos terrestres autônomos não tripulados.

Apesar da aparência de filme de ficção científica, os cães-robôs estão cada vez mais perto de fazer parte da rotina de atividades militares americanas. Segundo a Ghost Robotics of Philadelphia, fabricantes dos robôs, eles podem operar em qualquer terreno ou ambiente, além de transportarem uma série de sensores e rádios.

"Os cães nos dão uma visão da área, ao mesmo tempo que mantêm nossos combatentes mais próximos da aeronave", afirmou o Sargento Lee Boston.

Para Charles Brown Jr., Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, o futuro da guerra passa pelos cães-robôs e pelo uso da tecnologia para acelerar principalmente a análise de dados.

"Nossos combatentes e os comandos deles devem lutar na velocidade da internet para vencer", afirmou Brown Jr.

Internacional