PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Pássaros aparecem mortos aos milhares nos EUA; incêndios podem ser causa

Aves migratórias são as principais vítimas do fenômeno  - Allison Salas/Twitter
Aves migratórias são as principais vítimas do fenômeno Imagem: Allison Salas/Twitter

Do UOL, em São Paulo

17/09/2020 15h59

Os Estados Unidos registraram nos últimos dias o aparecimento de centenas de milhares de pássaros mortos, principalmente nos estados mais próximos aos da costa oeste. O fenômeno ainda é estudado, mas a suspeita é de que a morte das aves, que são essencialmente migratórias, esteja relacionada com os múltiplos focos de incêndio que atingem a Califórnia, o Oregon e Washington.

Especialistas em vida selvagem estão coletando e analisando animais mortos na NMSU (Universidade do estado de Novo México) para tentar entender melhor o que está acontecendo. O Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos e as autoridades locais do Novo México foram alertadas da situação.

Segundo o relato feito por Allison Salas, da NMSU, a mortalidade em massa afeta aves migratórias que parecem ter antecipado suas saídas de áreas afetadas pelo fogo. Muitas delas pareciam debilitadas pela dificuldade em encontrar alimento não só na área dos incêndios, mas também no Deserto de Chihuahuan, que se estende pelo Novo México, Arizona e Texas.

"Temos coletado pássaros mortos (com as licenças apropriadas) nas ruas, no campus, em campos de golfe, literalmente em todos os lugares", escreveu Allison em relato feito no Twitter.

A especialista lembrou que as aves parecem estar em uma condição relativamente boa, mas aparentam magreza excessiva.

"Eles não têm reservas de gordura e quase nenhuma massa muscular. É quase como se estivessem voando até que simplesmente não pudessem mais voar", explicou Allison.

Aves mortas podem ser milhões

Segundo outra especialista da NMSU, a professora Martha Desmond, o mistério da morte dos pássaros começou em 20 de agosto, com o primeiro registro de um número grande de aves encontradas mortas.

"É simplesmente terrível", disse Martha à CNN. "O número está em seis dígitos. Só de olhar para o escopo do que estamos vendo, sabemos que este é um evento muito grande, centenas de milhares e talvez até milhões de pássaros mortos", completou.

A professora apontou que, além de os padrões migratórios das aves terem sido alterados pelos incêndios, muitos pássaros podem ter inalado fumaça e por isso acumulado um dano pulmonar grave.

Isso explicaria o comportamento letárgico de alguns animais, que foram vistos caminhando no chão quando são conhecidos por voarem a maior parte do tempo e estão sendo atropelados por carros em um número "maior do que nunca", segundo Martha.

Internacional