PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

Esse conteúdo é antigo

Sem reconhecer derrota, Trump volta a jogar golfe na Virgínia

Donald Trump jogava golfe na Virgínia no momento em que a imprensa anunciou vitória de Jode Biden no sábado (7) - Al Drago/Getty Images
Donald Trump jogava golfe na Virgínia no momento em que a imprensa anunciou vitória de Jode Biden no sábado (7) Imagem: Al Drago/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

08/11/2020 13h52

O presidente norte-americano Donald Trump voltou a jogar golfe um dia depois de ter perdido as eleições americanas. Diferente do que sugere o protocolo, ele ainda não ligou para Joe Biden para admitir a derrota.

O democrata foi eleito o 46º presidente dos Estados Unidos na tarde do último sábado (7) após vencer Trump na Pensilvânia e em Nevada. No momento, Trump estava jogando golfe na Virgínia.

De acordo com o jornal The New York Times, ele foi visto mais uma vez no Trump National Golf Club, que pertence a ele, neste domingo. Ele está com algumas pessoas- algumas delas ainda usam cartazes eleitorais com "Trump 2020".

O presidente ainda não assumiu a derrota para Biden e age como se não tivesse perdido a eleição. Pelo contrário: no Twitter, ele voltou a afirmar que ganhou a eleição com 71 milhões de votos válidos.

"Os observadores não foram permitidos nas salas de contagem", escreveu no Twitter em letras maiúsculas. "Eu ganhei a eleição, recebi 71.000.000 votos legais. Coisas ruins aconteceram. Nossos observadores não foram permitidos de acompanhar. Nunca aconteceu antes. Milhões de votos por correio foram enviados para pessoas que nunca pediram!"

Trump não é obrigado a reconhecer a derrota e fazer o tradicional discurso do perdedor, como sugere o protocolo. É mais uma tradição que uma regra, mas ele já havia apresentado sinais de que não faria uma transição pacífica caso perdesse.

No entanto, o Colégio Eleitoral tem até o dia 14 para enviar seus delegados - que devem anunciar a vitória democrata - e terá de deixar a Casa Branca no dia 20 de janeiro, quando se torna um civil novamente.

Eleições Americanas