PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA: Passageira negacionista arranca a máscara de Uber e tosse; veja

Câmera de segurança do carro filmou ataque da passageira sem máscara - Reprodução/Twitter/@DionLimTV
Câmera de segurança do carro filmou ataque da passageira sem máscara Imagem: Reprodução/Twitter/@DionLimTV

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/03/2021 12h46

Um motorista de Uber, de São Francisco (EUA), foi atacado por um grupo de mulheres no último domingo (7), após pedir para uma delas colocar uma máscara. As negacionistas, descontentes com a medida obrigatória nas corridas do aplicativo durante a pandemia de coronavírus, não apenas cancelaram a viagem como também agrediram e arrancaram a máscara do prestador de serviço.

A corrida já estava em andamento, quando Subhakar Khadka percebeu que uma das passageiras estava sem o item de proteção obrigatório e solicitou que ela o colocasse. Após uma negativa da mulher, o motorista decidiu parar em um posto e só prosseguir com a viagem, caso ela cumprisse a regra, mas não a convenceu.

"Ela começou a me insultar, me xingando, questionando minha masculinidade. As outras mulheres estavam até falando em atirar em mim, dizendo que chamariam seus primos para atirar em mim. Elas estavam até zombando da minha etnia", disse Khadka, que tem origem indiana, para o canal KABC-TV.

No vídeo gravado pela câmera de segurança do carro, a mulher sem máscara pode ser vista gritando: "F*dam-se as máscaras". Ela tosse repetidamente, enquanto suas amigas riem e esbravejam palavrões ao fundo.

Em certo ponto da altercação, a mulher agarra o celular de Khadka do painel do veículo e arranca violentamente a máscara de seu rosto.

Desde o ataque, o motorista se diz traumatizado demais para voltar a trabalhar. "Foi insuportável, foi ameaçador, eu tive medo da minha vida", relatou Khadka. Ele ainda revelou que a Uber lhe deu US$ 120 (R$ 686) para limpar a bagunça deixada no carro pelas passageiras, depois contatar o suporte repetidamente.

A Polícia de São Francisco analisou as imagens do ataque e disse que uma das mulheres pulverizou uma substância, provavelmente um spray de pimenta, no carro de Khadka. O incidente segue sendo investigado e a Uber já declarou que a passageira que iniciou a corrida foi banida do aplicativo.

Internacional