PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Equipe da CNN corre para se abrigar durante ataque aéreo em Israel

Fumaça sobe de um prédio depois que ele foi destruído por ataques aéreos israelenses em meio a uma explosão de violência israelense-palestina, em Gaza - Ibraheem Abu Mustafa/Reuters
Fumaça sobe de um prédio depois que ele foi destruído por ataques aéreos israelenses em meio a uma explosão de violência israelense-palestina, em Gaza Imagem: Ibraheem Abu Mustafa/Reuters

Colaboração para o UOL*

11/05/2021 19h37

Uma equipe de notícias da CNN americana, que estava se preparando para entrar ao vivo, teve que correr para um local seguro quando as sirenes de um ataque aéreo soaram em Israel, nesta terça-feira, em Ashkelon, no norte de Gaza.

"Temos sirenes. Vamos. Vamos", gritou Hadas Gold, correspondente da CNN em Jerusalém. O momento da fuga foi transmitido pelo programa New Day.

O grupo correu para um abrigo antiaéreo em um prédio próximo, onde se escondeu com outros jornalistas e residentes locais enquanto foguetes voavam por cima.

Gold mais tarde conversou com o âncora John Berman e disse que ela havia sido informada de que "pelo menos 40 foguetes estavam disparando bem acima de nós".

Tumultos em Jerusalém abalam Gaza

Militantes de Gaza lançaram foguetes contra Israel pelo segundo dia nesta terça-feira, e aviões israelenses lançaram mísseis contra o território palestino, em um conflito que já matou pelo menos 26 pessoas em Gaza e dois em Israel.

O conflito mais sério entre facções armadas de Gaza, controlada pelos islâmicos do Hamas, e Israel desde 2019 começou com confrontos entre palestinos e policiais israelenses diante da mesquita de Al-Aqsa de Jerusalém na segunda-feira.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que ao menos 26 palestinos, incluindo nove crianças, foram mortos e que 122 foram feridos por ataques de Israel no enclave de 2 milhões de pessoas desde que o Hamas disparou foguetes em direção a Jerusalém pela primeira vez desde 2014, na segunda-feira.

* Com informações da Reuters.

Internacional