PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Acordo militar saudita de US$ 500 mi põe discurso de Biden em xeque

A decisão de acabar com as chamadas armas "ofensivas" para a Arábia Saudita foi uma das primeiras promessas de política externa de Joe Biden - Leah Millis/Reuters
A decisão de acabar com as chamadas armas "ofensivas" para a Arábia Saudita foi uma das primeiras promessas de política externa de Joe Biden Imagem: Leah Millis/Reuters

Colaboração para o UOL

27/10/2021 12h26Atualizada em 27/10/2021 12h26

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, é contraditório quando sela contrato militar de US$ 500 milhões com a Arábia Saudita, enquanto discursa contra venda de armas "ofensivas" ao reino. A avaliação é de especialistas ouvidos pelo jornal britânico The Guardian. O novo contrato militar permitirá que a Arábia Saudita mantenha sua frota de helicópteros de ataque em operações contra o Iêmen.

A decisão do governo de acabar com as chamadas armas "ofensivas" para a Arábia Saudita foi uma das primeiras promessas de política externa de Joe Biden, e refletiu o que o presidente dos EUA chamou de seu compromisso de "acabar com todo o apoio" a uma guerra que havia criado "uma catástrofe humanitária e estratégica".

A Arábia Saudita recebeu permissão do Departamento de Estado para firmar um contrato para apoiar a frota de helicópteros Apache do Comando de Aviação da Arábia Saudita, Blackhawks, e uma futura frota de helicópteros Chinook. O acordo inclui treinamento e o serviço de 350 empreiteiros americanos para os próximos dois anos, assim como dois funcionários do governo dos EUA. O contrato foi anunciado pela primeira vez em setembro.

"Preocupante"

Na avaliação de Seth Binder, diretor de advocacia do Projeto sobre Democracia no Oriente Médio (POMED, na sigla em inglês), o acordo é preocupante. "Para mim, isso é uma contradição direta com a política do governo. Este equipamento pode ser absolutamente usado em operações ofensivas. Então, acho isso particularmente preocupante."

O Guardian aponta que a decisão de aprovar o contrato de manutenção militar vem à medida que o governo Biden parece estar suavizando sua abordagem ao reino saudita, com várias reuniões entre altos funcionários da administração e seus homólogos sauditas.

Especialistas que estudam o conflito no Iêmen e o uso de armas pela Arábia Saudita e seus aliados dizem acreditar que helicópteros de ataque apache foram destacados principalmente ao longo da fronteira saudita com o Iêmen. Eles também dizem que é difícil identificar violações específicas do direito humanitário internacional que ocorreram como resultado do uso de apaches pelos sauditas, em parte porque tais dados detalhados são escassos e difíceis de verificar.

Para Tony Wilson, fundador e diretor do projeto Monitor de Força de Segurança do Columbia Law School Human Rights Institute, é difícil ver como o acordo de manutenção de helicópteros militares não apoiaria as operações militares sauditas no Iêmen.

Michael Knights, membro do Instituto de Política do Oriente Próximo de Washington (WINEP, na sigla em inglês), disse acreditar que os apaches tinham sido usados no que ele descreveu como "missões defensivas" ao longo da fronteira do Iêmen, e, portanto, a venda do contrato de manutenção não era contrária à posição pública da Casa Branca. Ele disse que a medida provavelmente refletiu o reconhecimento do governo Biden de que uma derrota saudita para os houthis (movimento político-religioso do noroeste do Iêmen), que haviam recebido apoio do Irã, enviaria uma "mensagem negativa".

Departamento de Estado

Questionado pelo jornal se o governo americano havia revisado o uso de apaches pelos sauditas antes do acordo do contrato, um porta-voz do Departamento de Estado disse que havia "revisto de perto todas as acusações de abusos de direitos humanos ou violações do direito humanitário internacional", incluindo aquelas associadas à coalizão liderada pela Arábia Saudita.

O departamento disse ainda que concluiu que a "esmagadora maioria" dos incidentes foram causados por munições ar-terra de aeronaves de asa fixa, o que levou a administração a suspender duas entregas de munições ar-terra anteriormente pendentes.

O porta-voz do Departamento de Estado afirmou que Biden havia dito desde os primeiros dias de sua presidência que os EUA trabalhariam com a Arábia Saudita "para ajudar a fortalecer suas defesas, como necessário pelo crescente número de ataques houthi em território saudita".

"Essa proposta de continuação dos serviços de suporte à manutenção ajuda a Arábia Saudita a manter capacidades de autodefesa para atender às ameaças atuais e futuras. Essas políticas estão entrelaçadas com a direção do presidente Biden de revitalizar a diplomacia dos EUA em apoio ao processo liderado pela ONU para chegar a um acordo político e acabar com a guerra no Iêmen", disse o porta-voz.

Internacional