PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Com alta adesão à 3ª dose, Inglaterra deixa de obrigar uso de máscara

5.jan.2020 - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deixa sua residência oficial em Downing Street de máscara - John Sibley/Reuters
5.jan.2020 - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deixa sua residência oficial em Downing Street de máscara Imagem: John Sibley/Reuters

Colaboração para o UOL, em Brasília

19/01/2022 11h23

O premiê britânico, Boris Johnson, disse hoje que, a partir da semana que vem, o governo deixará de recomendar home office e o uso de máscaras como medidas de combate à pandemia na Inglaterra.

A notícia chega num momento em que os níveis de infecção por covid-19 caem na maior parte do Reino Unido pela primeira vez desde o início de dezembro. "Nossos cientistas acreditam que é provável que a onda ômicron tenha atingido o pico nacional", disse hoje no Parlamento.

As medidas de isolamento e uso de proteção facial, consideradas mais severas, fazem parte do "Plano B" de combate à disseminação do vírus.

"Por causa da extraordinária campanha de vacinação com doses de reforço, juntamente com a maneira como o público respondeu às medidas do Plano B, podemos retornar ao Plano A na Inglaterra", disse.

Crise política continua

O premiê continua enfrentando uma pressão crescente sobre as festas realizadas em Downing Street (residência oficial de Johnson) durante o bloqueio imposto pelo governo em 2020.

Questionado hoje se renunciará, Johnson disse hoje que as pessoas devem aguardar o resultado de um inquérito sobre supostas festas realizadas em sua residência oficial em Downing Street durante lockdown de 2020 para conter a disseminação da covid-19.

O deputado Christian Wakeford pediu a Johnson que deixasse o cargo. Ele estava entre os parlamentares que escreveram uma carta de desconfiança no primeiro-ministro a Sir Graham Brady, presidente do comitê de conservadores.

Johnson negou ter sido avisado de que uma festa com bebidas naquele ano corria o risco de quebrar as regras de bloqueio e insistiu que acreditava que era um evento de trabalho.

Se 54 dos mais de 360 parlamentares conservadores enviarem cartas a Sir Graham expressando desconfiança em Johnson, isso pode desencadear uma eleição interna para a substituição do atual premiê.

Infecções em queda no Reino Unido

Os níveis de infecção por covid-19 em três dos quatro países do Reino Unido caíram pela primeira vez desde antes do Natal, sugerindo que o pico da última onda de coronavírus pode ter passado.

Inglaterra, Escócia e País de Gales registraram uma queda na semana passada no número de pessoas em asilos que podem ter tido covid-19, de acordo com o Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS).

Estima-se que a Irlanda do Norte tenha visto um pequeno aumento nas infecções, embora o ONS tenha descrito a tendência como "incerta".

Todas as quatro nações registraram um nível recorde de infecções na primeira semana do ano, já que a variante ômicron continuou a impulsionar um aumento no vírus.

Os números mais recentes do ONS mostram que uma em cada 20 pessoas em residências particulares na Inglaterra provavelmente teve Covid-19 na semana até 15 de janeiro, ou cerca de 3,0 milhões de pessoas - abaixo do recorde de 3,7 milhões na semana até 6 de janeiro. .

Na Escócia, estima-se que cerca de um em cada 20 pessoas teve covid-19 na semana passada, ou 236.600 pessoas, abaixo das 297.400.

Para a Irlanda do Norte, o número mais recente também é de um em 20, mas a estimativa para o número de pessoas com resultado positivo subiu ligeiramente de 99.200 para 104.300, com o ONS descrevendo a tendência como "incerta".

No País de Gales, a estimativa é de uma em 25, ou 112.100 pessoas, abaixo das 169.100.

Internacional