PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
2 meses

Ucrânia suspende 11 partidos apontados como pró-Rússia

19.03.22 - Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky - Handout / UKRAINIAN PRESIDENTIAL PRESS SERVICE / AFP
19.03.22 - Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky Imagem: Handout / UKRAINIAN PRESIDENTIAL PRESS SERVICE / AFP

Colaboração para o UOL, em Brasília

20/03/2022 11h17Atualizada em 20/03/2022 18h07

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse hoje que instruiu seu governo a suspender a atividade de 11 partidos políticos que, segundo ele, têm "laços" com o governo da Rússia.

Em discurso divulgado neste domingo (20) em sua página no Telegram, Zelensky afirmou que o Conselho de Segurança e Defesa Nacional da Ucrânia decidiu suspender a atividade dos partidos sob a lei marcial — que está em vigor desde o início dos ataques em 24 de fevereiro, e será prorrogada mais uma vez até o dia 26 de março.

"Dada a guerra em grande escala travada pela Federação Russa e os laços de algumas estruturas políticas com esse Estado, qualquer atividade de vários partidos políticos durante a lei marcial está suspensa", disse ele.

As organizações são conhecidas por compartilhar algumas posições com Moscou ou ter plataformas de inclinação russa.

Um dos partidos da lista, o Opposition Platform-For Life, é liderado por Viktor Medvedchuk, um empresário com laços pessoais com o presidente russo, Vladimir Putin. Outros na lista incluem o Partido Shariy e o Partido Socialista da Ucrânia.

Veja lista completa dos partidos

  1. Bloco de Oposição;
  2. Partido da Sharia;
  3. Nosso;
  4. Oposição de Esquerda;
  5. União das Forças de Esquerda;
  6. Partido do Estado;
  7. Partido Socialista-Progressista Ucraniano;
  8. Partido Socialista da Ucrânia;
  9. Socialistas;
  10. Bloco Vladimir Saldo; e
  11. Plataforma de Oposição Pela Vida.

Zelensky disse que o Ministério da Justiça foi "instruído a tomar imediatamente medidas abrangentes para proibir as atividades desses partidos políticos da maneira prescrita".

"Qualquer atividade de políticos que vise dividir [o território ucraniano] ou colaborar [com a Rússia] não terá sucesso", disse ele. "Mas vai ter uma resposta dura."

No início de fevereiro, antes do início da invasão em larga escala da Rússia pela Rússia, Zelenskyy havia desligado ligou três redes de televisão que, segundo ele, espalhavam "propaganda" financiada pelo Kremlin.

Com a prorrogação da lei marcial anunciada hoje, todos os homens de 18 a 65 anos não poderão sair da Ucrânia, salvo raríssimas exceções.

Outra determinação divulgada neste domingo pelo presidente ucraniano é a unificação de todos os canais de televisão em uma única "plataforma de comunicação estratégica" para fazer com que as emissoras fiquem ativas 24 horas por dia.

Internacional