Conteúdo publicado há 6 meses

Itamaraty confirma primeira morte de brasileiro na guerra Hamas-Israel

O Itamaraty confirmou na manhã de hoje a primeira morte de um cidadão brasileiro na guerra entre Hamas e Israel.

O que aconteceu?

Ranani Nidejelski Glazer, natural do Rio Grande do Sul, tinha 24 anos.

Ele era um dos brasileiros que estava em uma rave nas proximidades da Faixa de Gaza quando o Hamas invadiu a região.

O gaúcho, que tinha chegado a prestar serviço militar nas Forças de Defesa Israelenses, estava com a namorada e um amigo no momento da invasão.

Ele chegou a gravar um vídeo de dentro do bunker. Nas imagens, relatou "cena de filme" e disse: "Começou uma guerra, pelo menos a gente está em um bunker seguro".

Posteriormente, o bunker foi invadido por membros do Hamas. A namorada e o amigo de Ranani sobreviveram, mas ele era considerado desaparecido.

O presidente Lula compartilhou a confirmação da morte do brasileiro nas redes sociais e prestou condolências à família dele.

Pelo menos 260 corpos foram encontrados no local da rave, segundo as autoridades israelenses.

Outras duas brasileiras que estavam na festa continuam desaparecidas: Bruna Valeanu e Karla Stelzer Mendes.

Continua após a publicidade

Ao solidarizar-se com a família, amigas e amigos de Ranani, o Governo brasileiro reitera seu absoluto repúdio a todos os atos de violência, sobretudo contra civis.
Itamaraty, em nota

Amigos prestam homenagem

Após a repercussão da morte de Ranani, amigos foram às redes sociais. Em uma das publicações, um amigo diz não "acreditar".

Outra amiga declara estar sentindo uma "dor imensurável", além de destacar que "só consegue lembrar do teu sorriso".

Em mais uma postagem que Glazer é marcado e está presente na foto, a legenda diz: "Ruim acreditar que o mundo não vai mais ver teu olho de duas cores.Tua risada insistente".

Deixe seu comentário

Só para assinantes