Opinião: A Venezuela é vítima do populismo e do castrismo

Paulo A. Paranagua

Desde Gabriel García Márquez, isso não é segredo: a solidão é a maldição da América Latina. Os venezuelanos estão sofrendo essa triste experiência neste momento de desesperança. Os aduladores do falecido presidente Hugo Chávez (1999-2013) não estão preocupados com o destino do povo venezuelano, cuja combatividade eles costumavam louvar.

O "socialismo do século 21" com as cores da "república bolivariana" não inspira mais uma competitividade. E com razão: os venezuelanos não aguentam mais ver seu poder de compra sendo corroído pela hiperinflação e suas refeições sendo reduzidas ao mínimo básico pelo desabastecimento.

Bastou que a fronteira com a Colômbia fosse reaberta, no dia 13 de agosto, para que centenas de milhares de venezuelanos corressem para ir comprar no país vizinho os alimentos, produtos de higiene e medicamentos dos quais têm sido privados pela má gestão populista e pela corrupção.

Carlos Eduardo Ramirez/Reuters
13.ago.2016 - Policiais falam com multidão que tenta atravessar a fronteira com a Colômbia

E enquanto isso, o que o sucessor de Hugo Chávez anda fazendo? Nicolás Maduro vai até Havana com sua família, sua comitiva, a mídia subordinada a ele e músicos - um avião repleto - para celebrar os 90 anos de Fidel Castro, no mesmo 13 de agosto. Custo da bagatela: US$ 400 mil.

A indecência e o grotesco da situação pedem uma explicação. Dirigente civil em um regime dominado pelos militares e pelos camaradas de golpe do tenente-coronel Chávez, Maduro está passando por uma crise de legitimidade tanto junto a seus opositores quanto entre suas próprias fileiras. 

O "tartufo" do chavismo é contestado por aqueles que atribuem o colapso da economia à morte de Chávez e à queda do preço do petróleo. Esses nostálgicos estão errados, pois o Midas ao contrário, capaz de transformar o ouro negro da Venezuela em miséria, não era ninguém menos que o próprio Chávez.

Agora que o rei está nu, não basta para Maduro ter sido designado pelo "eterno comandante" para consolidar seu poder; ele precisa provar que continua sendo reconhecido por Havana, a Meca dos Revolucionários.

Formado nas escolas de oficiais de Cuba, ele se tornou devedor do castrismo, que cultiva fidelidades incondicionais. Chávez e Castro o haviam escolhido entre os potenciais herdeiros por essa mesma razão, porque ele era servil, incapaz de qualquer autonomia.

Fidel Castro havia cobiçado o petróleo venezuelano durante 40 anos. Revoltado com a desconfiança do presidente socialdemocrata venezuelano, Romulo Betancourt, que também chegou ao poder em 1959, o "Líder Máximo" havia lançado na Venezuela sua guerra de guerrilhas continental. Esse grande manipulador conseguiu o que queria graças à eleição de Chávez em 1998.

Hoje, mesmo com um fornecimento reduzido, o petróleo venezuelano e os petrodólares propiciados por ele garantem a sobrevivência da família Castro e dos militares nos comandos das grandes empresas cubanas.

Saque organizado

O referendo revogatório para interromper o mandato do presidente Maduro, solicitado pela oposição e por chavistas dissidentes, está previsto na Constituição. Sua recusa não vem unicamente do palácio presidencial de Caracas, mas também da Praça da Revolução, em Havana.

Para o castrismo, estabilidade é sinônimo de continuidade. A dependência do petróleo venezuelano não é tão forte quanto a do petróleo soviético, mas Cuba continua sendo uma economia vulnerável e pouco diversificada. A ilha já acusa o impacto da recessão venezuelana.

Prensa Presidencial Venezuela
13.ago.2016 - Maduro e Fidel no dia do aniversário de 90 anos do líder da Revolução Cubana

A esperança suscitada no exterior pela aproximação com os Estados Unidos não é compartilhada pela população cubana, cansada de ver as mesmas figuras na cúpula do Estado durante 57 anos. Dezenas de milhares de cubanos continuam boicotando as eleições, a ponto de provocar crises migratórias na América Central e na América do Sul.

Os interesses da gerontocracia castrista e dos cleptomaníacos chavistas estão ligados, e o temor de um efeito dominó leva Havana a tentar controlar a sociedade civil. O mesmo estado de tensão é perceptível entre outros governos "bolivarianos".  Na Nicarágua, que é dependente do petróleo venezuelano, o presidente sandinista Daniel Ortega está decapitando a oposição parlamentar e se candidatando para mais uma reeleição, no dia 6 de novembro, sem concorrência. Na Bolívia, o presidente Evo Morales inaugurou uma nova academia militar destinada à doutrinação ideológica dos oficiais.

O refluxo da onda populista na América Latina vem acompanhado de uma considerável capacidade de interferência daqueles que permanecem no lugar, enquanto a opinião pública descobre, alarmada, a extensão do saque organizado pelos herdeiros dos velhos caudilhos.

Na Argentina, a Justiça, que finalmente despertou de um torpor complacente, vem investigando a fortuna acumulada pela família Kirchner, que passou da "acumulação primitiva" em seu feudo provincial da Patagônia para assuntos nacionais e internacionais através do casal presidencial, Néstor e Cristina Kirchner (2003-2015).

A tragédia venezuelana suscita na França um silêncio ensurdecedor. Para onde foram os gentis organizadores da solidariedade "bolivariana"? Jean-Luc Mélenchon não encontra mais inspiração entre os populistas latinos? Que fim levou a "French Connection" com seus acadêmicos, jornalistas, empresários e cientistas políticos, apoiadores e conselheiros em Caracas? Tem alguém aí?

Venezuela e Colômbia iniciam reabertura da fronteira

  •  

Tradutor: UOL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos