Ambiente

Desaparecimento de abelhas poderá causar mais de um milhão de mortes em todo o mundo

  • Leif Richardson/Reuters

    Zangão poliniza flor na cidade de Burlington (EUA). Um estudo publicado em 9 de julho na revista Science indica que as abelhas não estão se adaptando bem às mudanças climáticas

    Zangão poliniza flor na cidade de Burlington (EUA). Um estudo publicado em 9 de julho na revista Science indica que as abelhas não estão se adaptando bem às mudanças climáticas

O declínio mundial dos polinizadores - principalmente abelhas e outros insetos - pode causar até 1,4 milhões de mortes adicionais por ano, um aumento de mortalidade mundial de quase 3%, segundo pesquisadores.

Esse aumento na mortalidade é resultado da combinação de uma diminuição da vitamina A e ácido fólico (vitamina B9 ou ácido fólico), vitais para mulheres grávidas e crianças, e um aumento da incidência de doenças não transmissíveis, como doenças cardíacas, acidente vascular cerebral (AVC) e certos tipos de câncer. Estes são os fenômenos que provocam, através de mudanças na dieta, um colapso da população de polinizadores.

As deficiências em vitamina A e ácido fólico podem atingir os olhos, levando à cegueira, e causar malformações do sistema nervoso.

Estes efeitos na saúde afetariam países desenvolvidos e em desenvolvimento, de acordo com a análise publicada nesta quinta-feira na revista médica The Lancet.

De acordo com um cenário de completa eliminação de polinizadores, 71 milhões de pessoas em países de baixa renda poderiam encontrar-se deficientes em vitamina A, e 2,2 bilhões que já têm consumo inadequado teriam suas contribuições reduzidas novamente.

Para os folatos, seriam 173 milhões de pessoas que se tornariam deficientes e 1,23 bilhões de pessoas que veriam o seu consumo deficiente deteriorar ainda mais.

Uma redução de 100% dos "serviços de polinização" poderia reduzir os estoques globais de frutas em 22,9% frutas, legumes em 16,3% e 22,9% em nozes e sementes, mas com diferenças entre países.

Em suma, essas mudanças na dieta podem elevar as mortes anuais globais por doenças não-transmissíveis e aquelas relacionadas à desnutrição para 1,42 milhões de mortes por ano (2,7 % da mortalidade total anual), de acordo com o estudo conduzido por Samuel Myers, da Universidade de Harvard.

Uma perda dos serviços de polinização limitada a 50% equivaleria à metade (700.000) da mortalidade adicional, que implicaria a eliminação completa dos polinizadores, segundo as estimativas.

Outro estudo, publicado na The Lancet Global Health", quantifica uma ameaça específica, até agora nunca medida, para a saúde global de dióxido de carbono (CO2) devido à atividade humana.

Neste segundo estudo, a redução do teor de zinco de culturas alimentares importantes relacionadas ao aumento nas concentrações de CO2 na atmosfera vai expor 138 milhões de pessoas ao risco de deficiência de zinco (nanismo, problemas imunológicos, mortes prematuras) em todo o mundo até 2050.

Além disso, com a Fundação Rockefeller, a revista The Lancet publicou um relatório sobre as mudanças ambientais "que vão além da mudança climática e ameaçam os progressos feitos em matéria de saúde feitos nas últimas décadas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos