MPF pede suspensão de novo decreto para exploração mineral na Amazônia

Do UOL, em São Paulo

  • Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

    O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho (à dir.), e o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho

    O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho (à dir.), e o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho

O MPF (Ministério Público Federal) voltou a pedir na Justiça Federal nesta terça-feira (29) a suspensão do decreto de extinção de uma reserva na Amazônia para exploração mineral.

Um primeiro decreto já tinha sido revogado em razão da polêmica nesta segunda (28). Em um segundo decreto, publicado na noite de segunda-feira (28), o governo manteve a extinção da reserva e detalhou as condições de exploração.

Para o MPF, a medida da Presidência da República "é uma afronta à Constituição e mantém o meio ambiente sob ameaça de "ecocídio"." A procuradoria acusa o governo de publicar novo decreto sem diferenças em relação ao texto revogado.

A Renca (Reserva Nacional de Cobre e Associados) está localizada nos Estados do Pará e Amapá, numa área de quase 4 milhões de hectares de vegetação, o equivalente ao Estado do Espírito Santo.

WWF Brasil
Área da reserva comparada à Dinamarca

A reserva foi criada em 1984, ainda durante o regime militar, e mantinha área de alto potencial para exploração de ouro e outros minérios (como ferro, manganês e tântalo) em posse da União.

A extinção, proposta pelo Ministério de Minas e Energia, permite a concessão da área para exploração mineral da iniciativa privada. O argumento da pasta era de que a medida seria necessária para viabilizar investimentos na região.

Cinco meses antes, investidores e mineradoras canadenses souberam dos planos de extinção da reserva em uma reunião com o ministério em março.

Na ação, a Procuradoria do Amapá pede ainda que nenhuma medida, seja licenciamento, licitação ou pesquisa minerária na área, seja tomada enquanto o decreto não for anulado.

Para os procuradores, é possível classificar a área como espaço territorial especialmente protegido. Assim, somente poderia ser alterada por meio de lei específica, conforme a legislação.

"O MPF ressalta, ainda, que a União não pode intervir nos Estados e municípios, e fomentar atividade potencialmente poluidora sem que haja ampla discussão, especialmente com os amazônidas", escreveram na ação.

De acordo com a Procuradoria, na região existem indígenas e comunidades agro-extrativistas e ribeirinhos, e desrespeitar os direitos dessa população pode gerar responsabilidade internacional ao Brasil.

"Ecocídio"

Nas informações complementares à Justiça Federal, o MPF fala em "ecocídio" em razão dos prejuízos ao ambiente, aos indígenas e as comunidades com a exploração mineral na região.

"Assim, a ampliação não planejada de exploração mineral em área de proteção ambiental qualificada na Amazônia ensejará grave lesão ao meio ambiente e, consequentemente, a toda humanidade", diz o MPF.

A Justiça Federal ainda não se manifestou sobre o pedido da Procuradoria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos