PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Inundações quadruplicam e secas dobram desde 1980, aponta estudo

27.jan.2018 - Um parquinho infantil foi inutilizado pela cheia do rio Sena, em Paris. O nível do rio subiu e colocou a cidade em estado de alerta para inundações - Pascal Rossignol/Reuters
27.jan.2018 - Um parquinho infantil foi inutilizado pela cheia do rio Sena, em Paris. O nível do rio subiu e colocou a cidade em estado de alerta para inundações Imagem: Pascal Rossignol/Reuters

Em Paris

21/03/2018 20h57

Os fenômenos meteorológicos extremos no mundo foram mais frequentes nos últimos 36 anos devido às mudanças climáticas, como por exemplo o número de transbordamento de rios, que quadruplicou em relação a 1980, segundo um relatório europeu publicado na terça-feira.

A análise, publicada pelo Conselho de Academias de Ciências Europeias (EASAC) pede aos dirigentes europeus que ajam "com urgência" para "adaptar melhor as infraestruturas a um clima que muda".

As inundações e cheias de rios quadruplicaram e, no outro extremo, as secas dobraram desde 1980.

Somente as tempestades na América do Norte provocaram US$ 10 bilhões (cerca de R$ 32,7 bi) de perdas em 1980 e cerca de US$ 20 bilhões (R$ 65 bi) em 2015, segundo os dados fornecidos pelo gigante dos seguros Munich Re.

"A tendência de extremos continua" alerta no texto Michael Norton, diretor do programa Meio Ambiente do EASAC.

"Estes resultados refletem tendências gerais, (mostram) consequências de uma energia térmica maior no sistema terrestre" destaca o climatologista Phil Williamson, da universidade britânica de East Anglia.

"Por exemplo, nos últimos 150 anos houve 10 vezes mais recordes de temperaturas elevadas que de temperaturas baixas", explicou.

O informe atualiza seus dados precedentes de uma versão de 2013.

"Os fenômenos extremos não ocorrerão de forma linear e progressiva, podem ocorrer a qualquer momento" explicou o especialista.

Meio Ambiente