Topo

Salles responde a ex-ministros e diz que cumpre missão de defender ambiente

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles - Walterson Rosa/Estadão Conteúdo
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles Imagem: Walterson Rosa/Estadão Conteúdo

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

08/05/2019 16h07Atualizada em 08/05/2019 16h22

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, usou o Twitter hoje para responder a um manifesto assinado por oito ex-ministros contra as políticas ambientais do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). No comunicado, os ex-ministros condenam o "afrouxamento do licenciamento ambiental travestido de eficiência de gestão".

Em entrevista a jornalistas, o ex-ministro Carlos Minc (2008-2010), um dos signatários do manifesto, disse que o meio ambiente no Brasil nunca esteve "tão ameaçado". "Estamos descumprindo acordos assinados. O país de maior diversidade começa a negar os tratados que assinou e pode ser a maior ameaça do clima ao planeta", disse.

Na carta, Salles afirma que é de se comemorar que a palavra governança "finalmente" tenha entrado no vocabulário da seara ambiental. O ministro diz, ainda, que cumpre uma missão de "conciliação da preservação e defesa do meio ambiente" em conjunto com o "necessário e impostergável desenvolvimento econômico", como determinado por Bolsonaro.

Salles diz ter recebido o manifesto dos ex-ministros "com satisfação", mas afirma que eles não indicam nenhum aspecto "concreto e específico" que imputem a sua gestão ou ao governo Bolsonaro a autoria de medidas que colocariam em risco a imagem e a credibilidade internacional do país. "O atual governo não rechaçou, nem desconstruiu, nenhum compromisso previamente assumido e que tenha tangibilidade, vantagem e concretude para a sociedade brasileira", escreveu o ministro.

Mais Meio Ambiente