PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Esse conteúdo é antigo

Musaranho-elefante, considerado extinto, é visto na África após 52 anos

Musaranho-elefante tem corpo de roedor e uma tromba  - Reprodução/YouTube
Musaranho-elefante tem corpo de roedor e uma tromba Imagem: Reprodução/YouTube

Do UOL, em São Paulo

20/08/2020 11h22

Um pequeno mamífero de tromba foi redescoberto na África após cerca de 50 anos, depois de ser dado como extinto. Trata-se do musaranho-elefante, conhecido no meio científico como senguis somalis (Elephantulus revoilii). Ele foi observado por pesquisadores dos Estados Unidos e Djibouti em 2019, e agora os estudos foram publicados oficialmente.

Segundo o The Guardian, não se registrava a existência dessa espécie de musaranho desde 1968. Ele era mais comum na vizinha do Djibouti, a Somália, e é conhecido por seu físico de roedor com uma tromba que se assemelha à de um elefante, para comer formigas.

Além disso, é um bichinho veloz, que consegue correr a 30 km/h.

Em 2019, cientistas receberam pistas de que os mamíferos haviam sido observados e lançaram uma busca, com sucesso.

"Foi incrível", comentou Steven Heritage, pesquisador da Universidade de Duke, dos Estados Unidos. "Fizemos armadilhas e logo na primeira vimos aquele tufo de pelos que é característico, e depois mais outro. Estudos desde os anos 1970 não os encontravam. Foi fantástico termos conseguido tão rapidamente."

duke - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
Pesquisador de Duke com o musaranho-elefante, considerado extinto, mas visto na África após 52 anos
Imagem: Reprodução/YouTube

Robin Moore, da Global Wildlife Conservation, acrescentou que o comum em espécies dadas como extintas é encontrar só um ou dois indivíduos - o que faz com que eles sejam pegos rapidamente para prevenir que de fato desapareçam. Mas não foi o caso, já que diversos musaranhos da espécie foram encontrados por eles. Ao menos 12 tiveram presença constatada na região.

Os musaranhos-elefantes estavam na quinta colocação de uma lista de 25 espécies "mais procuradas", mas consideradas extintas. "Essa redescoberta nos enche de esperança", concluiu Moore.

Veja onde fica Djibouti:

Meio Ambiente