Após crítica de presidenciáveis, FHC reafirma que carta era para eleitores

Do UOL, em São Paulo

  • Carine Wallauer/UOL

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reafirmou neste sábado (22), pelo Twitter, que a carta que escreveu pedindo união do centro político contra candidatos de "visões radicais" foi direcionada aos eleitores, e não aos presidenciáveis que estão concorrendo no pleito.

"Escrevi uma Carta aos eleitores e eleitoras, não aos candidatos ou aos partidos. Há meses repito ser necessário um 'centro popular e progressista'. Parece que na conjuntura água mole não racha pedra dura. O que não muda minhas convicções", escreveu FHC.

Na carta, divulgada na noite de quinta-feira (20), o ex-presidente, sem citar candidatos nominalmente, afirma que a eleição presidencial deste ano é um "momento decisivo" e que qualquer um dos extremos desta eleição --em alusão a Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), líder e vice-líder nas pesquisas de intenção de voto-- terão dificuldades de adotar as medidas que, ele avalia, o país precisa.

Apesar de dirigir a carta aos eleitores, muitos interpretaram que ela foi direcionada aos próprios candidatos, indicando a união em torno de apenas um nome. Pouco depois da publicação, FHC reafirmou no Twitter apoio ao candidato do seu partido, Geraldo Alckmin (PSDB), dizendo que ele é "quem veste esse figurino".

A mensagem de FHC foi criticada por Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), e Guilherme Boulos (PSOL). Já Alckmin disse "concordar plenamente" com a carta, mas afirmou que não procuraria candidatos. "A ideia é uma reflexão junto ao eleitorado", afirmou o presidenciável tucano.

Mensagem anti-Bolsonaro e anti-PT

Na carta original, mesmo sem citar os candidatos nominalmente, FHC fez referências explícitas a Bolsonaro e Haddad, os dois primeiros colocados nas últimas pesquisas Datafolha e Ibope.

"A gravidade de uma facada com intenções assassinas haver ferido o candidato que está à frente nas pesquisas eleitorais deveria servir como um grito de alerta: basta de pregar o ódio, tantas vezes estimulado pela própria vítima do atentado. O fato de ser este o candidato à frente das pesquisas e ter ele como principal opositor quem representa um líder preso por acusações de corrupção mostra o ponto a que chegamos", disse.

"É preciso revalorizar a virtude da tolerância à política, requisito para que a democracia funcione. Qualquer dos polos da radicalização atual que seja vencedor terá enormes dificuldades para obter a coesão nacional suficiente e necessária para adoção das medidas que levem à superação da crise", escreveu o tucano.

"Sem que haja escolha de uma liderança serena que saiba ouvir, que seja honesto, que tenha experiência e capacidade política para pacificar e governar o país; sem que a sociedade civil volte a atuar como tal e não como massa de manobra de partidos; sem que os candidatos que não apostam em soluções extremas se reúnam e decidam apoiar quem melhores condições de êxito eleitoral tiver, a crise tenderá certamente a se agravar", avaliou.

Fernando Henrique já declarou publicamente apoio ao candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, e tem dito ver no presidenciável qualidades que avalia importantes para o momento do país, como a tolerância e o fato de ser um democrata.

Alckmin, no entanto, ainda não conseguiu decolar nas pesquisas de intenção de voto e, para tentar melhorar seu desempenho e buscar chegar ao segundo turno, decidiu subir o tom tanto contra Bolsonaro quanto contra o PT.

*Com Reuters

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos