Haddad diz esperar apoio de tucanos: "há social-democracia ainda no PSDB"

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira (9) respeitar a decisão do PSDB de não apoiar nenhuma das chapas que disputam o segundo turno da eleição presidencial. Ele, porém, disse esperar que alguns tucanos o apoiem individualmente contra Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também:

"Sendo uma deliberação partidária, a gente respeita. Mas evidentemente que vai haver pessoas mais ligadas ao Mário Covas que acho que tem outra perspectiva", disse nesta no início desta noite.

"Existe uma social-democracia ainda no PSDB. Eu entendo que individualmente as pessoas possam se manifestar", completou.

Haddad fez a declaração durante o anúncio da oficialização do apoio do PSOL à sua candidatura. O partido, que surgiu de dissidentes do PT, declarou apoio pelo fato de o Brasil estar "numa encruzilhada de rumos, de destinos, entre a democracia e o autoritarismo", conforme afirmou Guilherme Boulos (PSOL), que foi derrotado no primeiro turno.

Boulos declara apoio a Haddad no 2º turno: "É o lado da democracia"

Agora, o PSOL deverá integrar a coordenação de campanha de Haddad. O petista também recebeu o apoio do PSB e do PPL nesta terça.

Segundo Boulos, o PT se comprometeu a importar alguns pontos de seu programa de governo. Entre eles, a igualdade salarial entre homens e mulheres, o combate a privilégios, moradia digna às pessoas, reforço do "Minha Casa, Minha Vida Entidades", demarcação de terras indígenas, regularização de áreas quilombolas e democratização da Funai (Fundação Nacional do Índio).

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, disse que o apoio não terá cargos em um eventual governo Haddad como moeda de troca. "Nosso apoio incondicional à candidatura diz respeito à nossa defesa do Estado democrático de direito".

Ricardo Stuckert/Divulgação
Haddad (c) se reúne com os governadores eleitos Wellington Dias, Camilo Santana, Rui Costa e Flávio Dino

Reunião com governadores

Mais cedo, Haddad também se reuniu com governadores aliados que foram reeleitos no último domingo (7): o baiano Rui Costa (PT), o cearense Camilo Santana (PT), o piauiense Wellington Dias (PT) e o maranhense Flávio Dino (PCdoB).

Na ocasião, Haddad disse que está aberto a mudanças no programa de governo em função de alianças. Para isso, ele citou sua profissão. "Professor tem que ser curioso para aprender e generoso para ensinar. Essa característica me faz a todo momento rever posições".

Ele citou que chegou a conversar com Mangabeira Unger, que participou da equipe de Ciro Gomes (PDT), de quem também deseja receber apoio. "[Unger] estava aberto a incorporar propostas compatíveis", comentou. "Os dois programas [PT e PDT] estão muito afinados".

O senador eleito Jaques Wagner (PT-BA) também esteve no encontro e passará a integrar a coordenação da campanha. Wagner negou que irá haver uma desvinculação da imagem de Haddad da de Lula. De acordo com ele, houve duas etapas. 

No primeiro turno, o objetivo era mostrar que Lula tinha um candidato. "Aí o 'Haddad é Lula'. Acho que essa etapa foi bem cumprida". Agora, segundo o ex-governador baiano, é apresentar as ideias de Haddad. "Agora, é um outro enfrentamento, é o mano a mano. Ele e o outro candidato, o candidato das 'fake'", disse.

Para o senador eleito, "não tem desvinculação no sentido de que o projeto político é o mesmo". "Só que agora as pessoas querem saber mais da personalidade do próprio candidato. Então, é essa tarefa que a gente tem agora. Mostrar quem é o professor Haddad, o pai de família, o tocador de violão, o homem que é faixa preta de taekwondo. É só uma questão de mudança".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos