Cabo Daciolo pede ao TSE anulação do 1º turno das eleições por fraude

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

Crítico às urnas eletrônicas, Cabo Daciolo (Patriota-RJ), deputado federal e candidato derrotado à Presidência, voltou a pedir ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), nesta quarta-feira (10), o uso de cédulas de votação em papel nas eleições do país.

Daciolo também pede, na representação entregue ao tribunal, a anulação dos resultados do primeiro turno de votação, realizado no domingo (7). Ele terminou o primeiro turno em sexto lugar.

Leia também:

O deputado já havia pedido a adoção do voto em cédula antes da votação.

O TSE tem afirmado que não há registro de nenhuma fraude ocorrida com as urnas eletrônicas desde que começaram a ser implantadas, em 1996.

"Hoje, depois das eleições, trouxemos mais fatos concretos, provas materiais de que a fraude está escancarada", disse o deputado.

"Agora eu saio daqui e vou atrás de todos os presidenciáveis porque é inadmissível que eles estejam calados. O próprio Jair Bolsonaro antes do resultado tem vídeos dele falando da fraude, por que agora estão calados, por que agora estão em silêncio? Eu quero saber qual é a posição de todos os presidenciáveis, o que eles têm a dizer do fato de as urnas eletrônicas serem ou não serem fraudulentas", afirmou Daciolo.

Após passar ao segundo turno da eleição presidencial, contra o candidato Fernando Haddad (PT), Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que, se não fosse o atual sistema de votação por urnas eletrônicas, teria sido eleito no primeiro turno.

"Não podemos nos recolher. Vamos juntos ao TSE exigir soluções para isso que aconteceu. Foi muita coisa. Tenho certeza, se esse problema não tivesse ocorrido, se tivesse confiança no sistema eletrônico, já teríamos o nome do novo presidente. O que está em jogo é a nossa liberdade", disse o candidato do PSL.

Ao comentar as declarações de Bolsonaro, a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, afirmou que a fala traz "preocupação", mas deve ser recebida com "tranquilidade".

Segundo a ministra, o sistema de votação eletrônico é seguro e pode ser auditado.

"Preocupação sempre nós temos, mas nós temos que enfrentar nossas preocupações com tranquilidade. Num estado democrático de direito, o bom é isso, que as pessoas possam se expressar", disse.

Segundo Rosa Weber, a Justiça Eleitoral irá atuar sobre eventuais suspeitas levantadas contra a segurança nas urnas somente quando houver uma representação formal ao TSE.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos