PT tira do ar links com manifestações de apoio à Venezuela

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo

  • Frank Franklin II/AP

    Nicolás Maduro na sede da ONU, em setembro

    Nicolás Maduro na sede da ONU, em setembro

O PT deixou fora do ar, ao longo da quinta-feira (11), três links de seu site oficial com notas em que o partido manifestava apoio à Venezuela e ao governo de Nicolás Maduro. Um dos links voltou a funcionar na noite do mesmo dia.

O apoio do partido ao governo de Maduro há muito é criticado por opositores do PT, e o tema costuma ser usado por Jair Bolsonaro (PSL) e apoiadores para atacar a candidatura de Fernando Haddad (PT). A Venezuela vive uma grave crise política e humanitária, e o governo tem sido acusado de cometer violações de direitos humanos.

Neste segundo turno da eleição presidencial, Haddad tem se apresentado como fiador da democracia em oposição a Bolsonaro, que defende abertamente a ditadura militar brasileira (1964-1985) e tem sido retratado pela candidatura petista como violento e autoritário.

Haddad não confronta publicamente a posição do PT sobre a Venezuela, mas disse, em agosto, que não se pode caracterizar a Venezuela como uma democracia. Em setembro, em entrevista ao "Jornal da Globo", o candidato foi questionado sobre a posição do PT e optou por responder qual seria a posição de um eventual governo do PT sob seu comando.

"É buscar mediação, reconhecendo que o ambiente não é o mais saudável", disse.

Na quinta, ao "Jornal da Band", quando indagado se o país era democrático, disse que "o problema é que o ambiente na Venezuela não é democrático".

Link redireciona para elogio a Haddad

Um dos links do site do PT que saíram do ar era o que levava a uma nota de apoio do partido à Venezuela, datada de 3 de abril de 2017. Na tarde de quinta, quem clicava no link era redirecionado a uma outra nota no site do PT, datada de 30 de setembro de 2017, intitulada "Você sabia? Haddad já foi eleito o melhor prefeito da América Latina".

Na nota de abril do ano passado, intitulada "PT divulga nota em apoio à Venezuela", o partido criticava a conduta do governo de Michel Temer (MDB) diante da crise política venezuelana. O comunicado cita a declaração do chanceler Aloysio Nunes Ferreira, dada dias antes à Folha, de que manter a Venezuela no Mercosul seria "uma ficção que avacalharia" o bloco.

"Temos a convicção que o povo venezuelano saberá encontrar, por meios próprios, a solução para os seus conflitos", diz a nota, assinada pelo então presidente do PT, Rui Falcão, e pela secretária de Relações Internacionais, Mônica Valente.

Pelo Twitter, na manhã de quinta, Jair Bolsonaro compartilhou o post de um apoiador que chamava a atenção para o fato de o link não estar funcionando. "Será que a ordem veio de dentro da prisão?", disse o candidato, em uma alusão ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cumpre pena em Curitiba.

Partido culpa notícias falsas

Segundo o secretário de Comunicação do PT, Carlos Árabe, o bloqueio do acesso ao link foi feito por causa de mensagens de WhatsApp que estariam usando o comunicado como pretexto para distorcer a posição do PT sobre a Venezuela e disseminar notícias falsas.

Árabe disse que o link havia sido bloqueado e que a nota continuaria no site, mas que o partido estudava uma maneira de recolocá-la no ar. Segundo ele, foi identificado um "acesso desmedido a um determinado link específico", e o PT já teria entrado com "medidas judiciais" a respeito.

"Não nos interessa manter bloqueado", afirmou ao UOL.

Ao longo da noite de quinta, a reportagem questionou Árabe sobre como o PT identificou uma alta nos acessos ao link; como o partido descobriu que isso estava relacionado à disseminação de notícias falsas; e que medidas judiciais o partido tomou sobre o assunto, mas não teve resposta. O secretário também não deu detalhes do tipo de mensagem que estava sendo associada à noite sobre a Venezuela.

Partido elogiou eleições questionadas

O UOL também identificou mais dois links do site do PT em que o partido manifestava apoio à Venezuela de Maduro e que, ao longo da quinta-feira, estavam fora do ar.

Um deles, intitulado "Venezuela: mais uma vez, exemplo de democracia e participação cidadã!", é datado de 16 de outubro de 2017. "O Partido dos Trabalhadores saúda o presidente Nicolás Maduro e seu partido, o PSUV, pela contundente vitória eleitoral nas eleições regionais deste domingo, 15 de outubro de 2017", diz a nota assinada pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e por Mônica Valente.

O mesmo comunicado diz que o dia da eleição regional venezuelana seria lembrado "como o dia de uma vitoriosa jornada de democracia, onde mais de 60% do eleitorado atendeu à convocação democrática e compareceu, de maneira cívica e pacífica, manifestando seu apoio à paz, à democracia e à soberania na Venezuela."

O outro link, datado de 21 de maio deste ano, voltou a funcionar durante a noite de quinta. Trata-se de uma nota conjunta do PT e do PCdoB sobre as últimas eleições venezuelanas, vencidas por Nicolás Maduro e questionadas pela OEA (Organização dos Estados Americanos).

Na nota, PT e PCdoB "felicitam o povo venezuelano pela retumbante vitória política e eleitoral do presidente Nicolás Maduro, reeleito neste domingo, 20 de maio, para mais um mandato de seis anos à frente da Revolução Bolivariana".

"Este triunfo, expressão da vitalidade do sistema eleitoral democrático venezuelano e dos sólidos laços do governo com o povo, é contestado pelo imperialismo estadunidense e governos lacaios da região latino-americana e caribenha, entre estes o governo golpista de Michel Temer", diz o comunicado.

A nota também diz que "o sistema político-eleitoral venezuelano aperfeiçoa-se progressivamente desde 1999" e "assegura à população um amplo direito de voto e é dotado de mecanismos de transparência e verificação."

País vizinho vive crise humanitária

A Venezuela vive um cenário de caos. Além da crise política, o país passa por uma profunda crise humanitária, com escassez de alimentos e remédios, que levou centenas de milhares de venezuelanos a deixarem sua terra natal -- cerca de 100 mil buscam refúgio no Brasil, o que levou a uma outra crise humanitária, desta vez no estado de Roraima. O FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê uma inflação de 1.000.000% para este ano.

Na Assembleia Geral da ONU, mês passado, o presidente Nicolás Maduro disse que a crise humanitária no país foi criada para justificar uma intervenção militar estrangeira.

No fim de setembro, seis países das Américas enviaram ao TPI (Tribunal Penal Internacional) um pedido de investigação por crimes de lesa-humanidade cometidos pelo governo de Maduro desde 2014. O braço da ONU para direitos humanos pediu a criação de uma comissão internacional para investigar execuções extrajudiciais no país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos