Agência fez campanha pelo WhatsApp para Doria com ataque a Skaf

Aiuri Rebello, Flávio Costa e Leandro Prazeres

Do UOL, em São Paulo

  • Eduardo Carmim/Folhapress

    O candidato João Doria (PSDB)

    O candidato João Doria (PSDB)

A agência de publicidade Yacows, investigada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), disparou mensagens de WhatsApp com conteúdo de campanha do candidato ao governo do estado, João Doria (PSDB), e com ataques ao seu principal adversário no primeiro turno das eleições, o então candidato Paulo Skaf (MDB). A propagação de conteúdo negativo a candidatos é uma prática ilegal.

Antes da publicação desta reportagem, a assessoria de imprensa da campanha não quis responder se tinha algum vínculo com a agência Yacows. Após a veiculação, Doria negou que tenha utilizado essa ferramenta para atacar adversários: "Mais uma fake news. É impressionante a produção de fake news pelo meu adversário. Nós não fizemos isso, nós já falamos isso. Absolutamente falsa. Não temos necessidade de fazer qualquer acusação".

Veja também:

A Yacows é uma das agências apontadas como participante de um esquema financiado por empresários que apoiam o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) para divulgar conteúdo anti-PT. O caso foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo e motivou a abertura de uma investigação pela Polícia Federal, a pedido do TSE e da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Nesta sexta-feira (26), o UOL revelou que as campanhas dos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) também usaram o sistema da agência - a do capitão reformado apagou os registros de envio de suas mensagens.

Campanhas de Doria foram apagadas

Um especialista em segurança virtual forneceu à reportagem, sob condição de sigilo sobre sua identidade, dados do sistema Bulk Services, de propriedade da Yacows, que envia mensagens em massa pelo WhatsApp.

De acordo com esses dados, a empresa que contratou a Yacows para fazer os disparos foi a Deep Marketing, que tem entre seus sócios um dos donos da Yacows, o empresário Lindolfo Antonio Alves Neto. 

Yacows e Deep Marketing não aparecem na prestação de contas da campanha de Doria até o momento, mas ainda há tempo para que a campanha possa informar esses gastos à Justiça Eleitoral. 

No mesmo dia em que a reportagem da Folha foi publicada, os conteúdos das mensagens e as listas de contatos referentes a 22 peças de propagandas do tucano foram apagados do sistema. Reportagem publicada pelo UOL revela que os registros da AM4 Brasil Inteligência Digital, contratada pela campanha de Jair Bolsonaro, também foram apagados no sistema de disparos. A empresa nega que tenha feito essa ação.   

Os dados do sistema da Yacows mostram algumas das listas de contatos utilizadas. A maioria tem nomes como Hortolândia e Ferraz de Vasconcelos. A palavra "comprada" aparece no nome de alguns arquivos, por exemplo: "Campanha4_Base_Comprada_HORTOLÂNDIA - 1895 - JOAODORIA".

Outro documento foi batizado da seguinte forma: "Campanha4_Base_Comprada_FERRAZ DE VASCONCELOS - 1895 - JOAODORIA".

Sem comentar casos específicos, Bárbara Simão, especialista em direito digital do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), diz que, de acordo com a legislação eleitoral e com a nova lei de proteção de dados, candidatos e partidos políticos não podem utilizar bases de dados de terceiros para fazer campanha.

"Os candidatos não podem usar bancos de dados de terceiros. Eles só podem usar bases de dados que tenham sido coletadas por eles. Além disso, todos os usuários precisam ter dado os seus consentimentos para receber mensagens com esse tipo de conteúdo e precisam estar informados e cientes de qual é a finalidade da coleta desses dados", explica.

Doria usou delação de Marcelo Odebrecht para atingir Skaf

A fonte do UOL também conseguiu acesso a um dos vídeos enviados via WhatsApp pela agência. A imagem inicial do vídeo leva um carimbo "urgente" em cima de uma fotografia de Paulo Skaf montada junto com o escudo da Polícia Federal.

Na parte inferior da tela está escrito: "Lava Jato: Polícia Federal diz que Skaf recebeu 5,1 milhões da Odebrecht".

O vídeo traz trechos de um depoimento prestado por Marcelo Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato em que o empresário diz ter feito doações irregulares a uma campanha de Paulo Skaf. 

A segunda metade do vídeo mostra trechos de reportagens da TV Globo sobre o assunto.

O vídeo contra Paulo Skaf foi enviado ainda no primeiro turno das eleições ao governo de São Paulo, quando Doria e Skaf foram adversários. A lei eleitoral proíbe que as campanhas ataquem rivais na internet por meio de conteúdo pago.

Apesar de as pesquisas de intenção de voto indicarem que Skaf seria o adversário de Doria no segundo turno, o emedebista foi superado na reta final do primeiro turno pelo governador e candidato à reeleição Márcio França (PSB). 

O uso de mensagens com conteúdo negativo pode resultar em multas e penas de dois a quatro anos de prisão. O candidato que tiver conhecimento que sua campanha utiliza cadastros comprados pode ser alvo de multas que vão de R$ 5.000 a R$ 30 mil. 

A reportagem também verificou que, além dos disparos contra adversários, a agência também divulgou vídeos do candidato em que Doria defende suas propostas para governar São Paulo.

Em nota enviada por sua assessoria de imprensa. após a publicação desta reportagem, Paulo Skaf afirmou estar surpreso: "Estamos surpresos com as informações expostas na reportagem, publicada hoje, véspera da eleição. Esperamos que os fatos sejam esclarecidos pelos órgãos competentes de forma que a verdade seja conhecida por todos".

Após a publicação da matéria da Folha, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e a PGR (Procuradoria-Geral da República) abriram investigações cujos alvos são a campanha de Bolsonaro e as empresas citadas na reportagem, dentre elas a Yacows.

Outro lado

A reportagem também tentou contato com os sócios da Yacows. Foram feitas ligações telefônicas a dois sócios e diretores da empresa para questioná-los exclusivamente sobre a atuação da empresa junto à campanha do tucano. Nenhum dos dois atendeu às chamadas.

Errata: Campanha de João Doria não disparou mensagens contra Skaf

Tem regra: entenda como o WhatsApp é enquadrado na lei brasileira

Receba notícias do UOL. É grátis!

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos